O presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, comparou ontem o vazamento de petróleo no Golfo do México a um “11 de Setembro” ambiental, referindo-se aos atentados em 2001 que mataram quase três mil pessoas. “Da mesma maneira que nossa visão sobre nossas vulnerabilidades e nossa política externa foi moldada pelo 11 de Setembro, esse desastre vai moldar como nós pensamos sobre o meio ambiente e energia por muitos anos”, disse Obama.

O presidente iniciou ontem uma viagem por Louisiana, Mississippi e Alabama, três dos Estados mais afetados, além da Flórida, e tentou imprimir um tom mais otimista, prometendo que o golfo vai ficar exatamente como era. “Eu prometo a vocês, as coisas vão voltar ao normal”, disse. “E, no final, o golfo vai ficar ainda melhor do que era.” Ele exortou turistas a continuar visitando as praias e disse que é seguro comer frutos do mar da região. “Almocei hoje frutos do mar e estava uma delícia.”

É a quarta visita de Obama à região. Ele a finaliza hoje à noite, com um discurso que mostra como a questão se tornou importante e como ameaça o seu governo: até hoje, o presidente norte-americano só fez discursos à nação para abordar temas como a reforma do sistema de saúde e a crise financeira. Ele quer aproveitar o desastre para pressionar o Congresso a aprovar uma lei de energia ambiciosa, com muitos incentivos à substituição do petróleo por energia renovável. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.