A agência de notícias estatal chinesa Xinhua informou que 17 pessoas foram julgadas e condenadas por participação nas manifestações ocorridas no mês passado em Lhasa, a capital do Tibete. As condenações vão de três anos de detenção a prisão perpétua, mas a agência não divulgou outros detalhes sobre o caso.

Os protestos contra o governo central chinês que tiveram início em 14 de março deixaram a capital tibetana assustada com vários prédios queimados. O governo chinês afirma que 22 pessoas morreram durante as manifestações. Grupos tibetanos no exílio afirmam que o número é bem maior e que as mortes foram decorrentes da violência da polícia chinesa. O Tibete e as províncias ao redor, onde protestos foram registrados, estão fechados para estrangeiros deste o início dos protestos.