O ministro das Relações Exteriores, Celso Amorim, viajou a Adana na Turquia, para dar assistência e ouvir os brasileiros que foram evacuados do Líbano para a cidade turca. O chanceler ouviu das pessoas os riscos que enfrentaram ao saírem do Líbano, no comboio organizado pelo governo. Mesmo assim, elas pediram que o Itamaraty prosseguisse com a retirada da zona atingida pelo conflito.

"Há muita gente por lá ainda", disse Amir Taha, um dos brasileiros que conseguiu sair do Líbano e que embarcou hoje da Turquia para o Brasil. Amorim explicou que o governo está fazendo o possível, mas reconheceu que a situação para a retirada de brasileiros pode ficar ainda mais difícil se o conflito se intensificar. Hoje, o governo turco anunciou ao Itamaraty que está disposto a abrigar mil brasileiros nos colégios de Adana.

A instabilidade na região começou há 14 dias, quando membros do grupo Hezbollah invadiram o norte de Israel e seqüestraram dois soldados israelenses – Ehud Goldwasser, de 31 anos, e Eldad Regev, de 26 -, o que provocou uma ampla reação militar por parte de Israel.