Uma pesquisa realizada pela Escola de Enfermagem da Universidade de São Paulo (USP), de Ribeirão Preto, revelou que 72% dos motoristas entrevistados ingerem bebidas alcoólicas (geralmente cerveja) e, desses, 31% já sofreram acidentes de trânsito. O estudo apontou ainda que, em médio e longo prazos, os motoristas poderão ter problemas crônicos de saúde.

Dos 1.014 motoristas entrevistados, entre agosto e novembro do ano passado, 81% eram de caminhoneiros – os demais eram motoristas de caminhões pequenos ou de carros. Dos caminhoneiros principalmente, quase 60% são autônomos e não têm convênio de saúde e dependem de atendimentos do Sistema Único de Saúde (SUS).

Para a professora doutora da EE, Sandra Cristina Pillon, que orientou a pesquisa de mestrado de Josélia Domingos, a questão é de saúde pública. Dos 735 motoristas que bebem, 196 já possuem alguma doença crônica e 189 tomam medicamentos. Em 70 deles foi identificada a hipertensão arterial severa, em 33 a diabetes e 56 com níveis glicêmicos altos e que podem levar à diabetes.

"Verificamos que 45% bebem excessivamente, mais que três doses por vez e pelo menos uma vez por semana ingerem mais que cinco doses", comenta Sandra. Cada dose corresponde a uma lata de cerveja, ou 350 ml. Segundo Sandra, a embriaguez (acima de seis doses) foi detectada em 30% dos entrevistados.