O gerente de Planejamento da Produção de Gás de Exploração e Produção (E&P) da Petrobras, Mauro da Silva Sant’Anna, revelou que a estatal está direcionando entre 1 milhão e 1,5 milhão de metros cúbicos por dia (m³/d) de gás natural consumido em suas refinarias para abastecer as termelétricas, nesse momento em que o Operador Nacional do Sistema Elétrico (ONS) tem determinado o despacho das térmicas para poupar água nos reservatórios das hidrelétricas.

"Esse corte no consumo interno tem ajudado a companhia a cumprir o termo de compromisso", disse o executivo, em referência ao documento assinado no ano passado pela estatal com a Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel) sobre o suprimento de gás natural para termelétricas do Sistema Interligado Nacional.

Em 2007, o consumo interno da Petrobras nas áreas de refino e fertilizantes foi de 6,9 milhões de m³/d, dos quais 4,1 milhões de m³/d no Sudeste e Sul e 2,8 milhões de m³/d no Norte e Nordeste. Segundo executivo, a companhia teria condições de elevar o volume cortado do consumo próprio, porém isso enfrenta restrições de ordem ambiental. "No Sul e em São Paulo há uma grande dificuldade do ponto de vista ambiental. Imagina queimar óleo em Cubatão (SP) e nessas áreas. É uma coisa complicada", justificou.

O executivo, porém, afirmou que não deve ser necessário que a Petrobras amplie o corte do seu consumo interno para atender as termelétricas. "Naturalmente, o termo de compromisso aumenta, mas pelas nossas contas a oferta atende a demanda", disse. Além dos 30 milhões de m³/d da Bolívia, a estatal prevê a adição de 24 milhões de m³/d oriundos do Programa de Antecipação da Produção de Gás (Plangás) e outros 20 milhões de m³/d decorrentes da importação de gás natural liquefeito (GNL) ainda este ano.