Um dia depois do seu partido sair vitorioso das eleições parlamentares do Japão, o primeiro-ministro Shinzo Abe prometeu nesta segunda-feira que haverá um esforço para que os salários aumentem no país, em uma sinalização de que continuará com sua política de combate aos baixos níveis de inflação e em resposta às críticas de que as medidas do seu governo não beneficiam a classe trabalhadora.

“Vamos realizar uma reunião com os representantes das empresas, amanhã, para pedir aumentos salariais no próximo ano”, disse Abe em sua primeira entrevista coletiva após a votação de domingo, que manteve maioria de dois terços da coalizão governista na Câmara dos Deputados.

O crescimento dos salários é parte importante da estratégia do primeiro-ministro para estabelecer um ciclo econômico positivo de maiores remunerações e consumo, que pode pôr fim a mais de uma década e meia de tendência deflacionária no país. No entanto, os aumentos de salários que muitas empresas adotaram foram compensados pela alta de um imposto sobre vendas, praticado em abril.

Enquanto Abe diz que a vitória da coalizão de governo foi um apoio claro da população à sua política econômica, ele admite que os trabalhadores do Japão e de regiões rurais ainda têm de se beneficiar de ganhos de mercado realizados por suas políticas de relaxamento monetário.

“Como eu viajei por todo o país durante a eleição, ouvi as opiniões dos cidadãos comuns que sofrem de aumentos de preços, e proprietários de pequenas empresas em dificuldades devido ao aumento dos preços das matérias-primas”, disse, acrescentando que ele vai elaborar um pacote de estímulo econômico até o final do ano.

O partido de Abe, o Partido Liberal Democrata (PLD), elegeu mais de 280 parlamentares, de um total de 475 assentos. Considerando os votos obtidos pelo partido Komei, da base aliada, a coalizão conquistou mais de 310 cadeiras no Parlamento. Com esse resultado, o primeiro-ministro do país, Shinzo Abe, se mantém em seu cargo. Fonte: Dow Jones Newswires.