Brasília  – Técnicos do Fundo Monetário Internacional (FMI) terão encontros ao longo da próxima semana com o ministro da Fazenda, Antonio Palocci, a fim de discutir o acordo de crédito que termina no fim deste ano. Segundo o porta-voz do FMI, Thomas Dawson, o exame da situação brasileira terá como resultado o empréstimo de US$ 8 bilhões, última parcela do acordo.

Em Washington (EUA), Dawson declarou que a situação da economia brasileira é muito boa e ultrapassou até as expectativas do Fundo. Segundo a Rádio França Internacional, a missão pretende conhecer, agora, os próximos passos do governo brasileiro e saber se o País vai recorrer novamente ao organismo financeiro.

Em relação à possibilidade de se fazer um novo acordo com o Fundo, o presidente Luiz Inácio Lula da Silva já afirmou que o Brasil não está mais com a corda no pescoço, que a conjuntura é bem melhor e que o País não tem que obrigatoriamente negociar. O atual acordo – uma linha de crédito de US$ 30 bilhões – foi negociado em setembro de 2002, por um período de 18 meses.

Já o ministro Antonio Palocci afirmara que os detalhes sobre um possível novo acordo com o Fundo que, segundo ele, teria apenas caráter preventivo, ainda não haviam sido decididos. Ele acrescentou que o acordo seria uma espécie de seguro e que o governo não tinha a intenção de sacar os recursos.

– Não há nada decidido, estamos numa fase de avaliação. Se fizermos, vamos tratá-lo como preventivo – afirmou o ministro na ocasião.