O número de empregos na indústria paranaense cresceu acima da média nacional nos primeiros sete meses do ano, aponta a Pesquisa Industrial Mensal, divulgada nesta quinta-feira (13) pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). O levantamento indica que a taxa de ocupação na indústria paranaense aumentou em 2% entre janeiro e julho deste ano, ante 1,5% de crescimento no Brasil. Com isso, o Paraná registrou o segundo melhor desempenho em geração de empregos na indústria em 2007, ao lado da região Nordeste e atrás apenas de São Paulo (2,4%).

O IBGE indica que o emprego industrial cresceu no Paraná 1,75% em julho, em comparação ao mesmo mês de 2006. No acumulado dos últimos doze meses, a pesquisa registra aumento de 0,7% na taxa de ocupação da indústria paranaense.

O número de horas pagas aos trabalhadores da indústria paranaense cresceu 2,2% em julho de 2007, ante o valor registrado no mesmo mês de 2006 ? acima da média nacional, que subiu 1,9% no período. O número de horas pagas no Estado acumula alta de 2,6% em 2007, e de 0,7% nos últimos 12 meses. O Paraná apresenta o melhor resultado da Região Sul nesse indicador.

O valor da folha de pagamento do pessoal assalariado na indústria paranaense cresceu 2,6% em julho, em comparação com o mesmo mês de 2006. Em todo o ano de 2007, a folha de pagamento acumula alta de 3% no Estado ? o crescimento é de 0,9% se forem considerados os últimos 12 meses.

No Brasil

O emprego industrial no Brasil voltou a crescer em julho em relação ao mês anterior (0,6%), na série livre de influências sazonais, após variação de ? 0,1% em junho, quando interrompeu cinco meses de taxas positivas. Na comparação com julho de 2006, o aumento de 2% mantém a seqüência de treze taxas positivas. O indicador acumulado nos últimos doze meses, em trajetória crescente desde outubro do ano passado, mostra aceleração, passando de 0,9% em junho para 1,1% em julho.

Com o resultado positivo na passagem de junho para julho, a trajetória do indicador de média móvel trimestral mantém-se ascendente desde fevereiro, acumulando ganho de 1,7%. O pessoal ocupado aumentou em onze dos dezoito setores, frente a julho de 2006, com alimentos e bebidas (4,1%), meios de transporte (8,2%) e produtos de metal (8,4%) respondendo pelos impactos positivos mais importantes. Por outro lado, as contribuições negativas mais significativas vieram de vestuário (- 4,7%), madeira (- 9,4%) e papel e gráfica (- 4%).

Ao longo de 2007, o índice de média móvel trimestral apresenta variação positiva frente ao mês anterior, tendo acumulado entre janeiro e julho aumento de 1,7%. Esse movimento guarda relação com a trajetória de crescimento da produção que, segundo este indicador, mostra acréscimo de 4,0% no mesmo período.