O presidente Michel Temer disse nesta sexta-feira, 8, em rápida entrevista após ter participado do Almoço Anual da Indústria Elétrica e Eletrônica que o governo está colhendo os votos necessários para a aprovação da reforma da Previdência. Afirmou ainda que, se forem reunidos os votos, levará a reforma à votação no dia 18 ou 19 deste mês.

“Estamos colhendo os votos com o apoio do Rodrigo Maia presidente da Câmara dos Deputados e vamos ver até dia 18, 19”, disse o presidente. Temer se negou a cogitar a possibilidade de a reforma ficar para o ano que vem. “Não vou cogitar isso. Só vou cogitar dia 18 e 19”, comentou.

Temer disse ainda que, depois de assinar a MP que moderniza a Lei de Informática que teria ouvido dos empresários, de forma unânime que a MP atende os pleitos do setor. “Tivemos nestes 18 meses de governo a oportunidade de tirar da gaveta vários projetos que foram discutidos e pensados há muito tempo atrás e que jamais foram levados adiante”, comentou.

“Foi também uma boa oportunidade para fazer uma pregação em favor da Previdência Social, mostrando que ela não prejudica ninguém. Nem mesmo aqueles que hoje detém melhores salários no serviço público quem entretanto, terão que fazer uma previdência complementar”, defendeu Temer.

Ele disse que não se pode comparar os aposentados da iniciativa privada, que ganham até o teto da Previdência de R$ 5,3 mil, com os do setor público. “Os que ganham mais vão ter que fazer previdência privada”, afirmou.