Trabalhadores que atuam no setor de asseio e conservação – incluindo serventes, copeira, coletor de lixo, vigia, porteiro, entre outros – tiveram um reajuste salarial médio de 8,69% no Paraná. O índice foi divulgado ontem pelo Dieese-PR, em parceria com a Federação dos Empregados em Empresas de Asseio e Conservação do Paraná (Feaconspar).

Conforme o levantamento, a convenção coletiva dos trabalhadores da categoria – que beneficiou cerca de 47 mil pessoas – foi fechada com reajuste de 8,57%, o que representa 3,55% de aumento real. Já os trabalhadores da Cavo (cerca de 2 mil pessoas) tiveram reajuste salarial de 10,40%. Na Ecosystem, em Londrina, o aumento foi de 10% e na Fossil Saneamento, também em Londrina, o reajuste ficou em 8,57%. De acordo com o presidente da Feaconspar, Manassés Oliveira, a categoria pleiteava reajuste salarial de 16,57%.

Com o aumento, o salário médio da categoria passou de R$ 461,91 para R$ 502,07. O salário médio mais alto é dos trabalhadores da Cavo (R$ 798,22) e o mais baixo da Fossil Saneamento (R$ 637,87). O reajuste a cerca de 49,3 mil trabalhadores da categoria no Estado representa um aumento da massa salarial de R$ 1,9 milhão ao mês.

Terceirização

Sobre a terceirização dos serviços – caso da Cavo, que atua na limpeza pública de Curitiba -, Oliveira destacou a importância da ?terceirização com responsabilidade?. ?Em muitos casos, aos invés de contribuir, a terceirização vem precarizar ainda mais a categoria?, alertou. ?Muitas vezes, a terceirização ocorre para reduzir custos da empresa, o que é negativo?, acrescentou o economista Sandro Silva, do Dieese-PR.

Pesquisa de preços

A partir deste mês, o Dieese-PR e a Feaconspar estarão coletando preços de 25 produtos de higiene e limpeza, em Curitiba. O objetivo é mostrar o quanto esses itens pesam no orçamento doméstico. Conforme dados do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), de 1999 a 2006 os produtos de higiene subiram 78,91% e os de limpeza, 98,39%, enquanto a inflação no período medida pelo Índice Nacional de Preços ao Consumidor (INPC) ficou em 77,46%.