As corridas coletivas em táxis estão liberadas em Curitiba. O sistema, semelhante ao dos aplicativos de transporte, como o Uber Juntos, está valendo desde a semana passada, após o prefeito Rafael Greca (DEM) assinar decreto 1.599/19, que além do táxi coletivo libera também a lotação de táxi – neste caso, apenas em situações extraordinárias, como greve de ônibus.

O táxi coletivo faz parte do pacote do aplicativo de táxi lançado semana passada Urbs, empresa municipal que gerencia o transporte coletivo de Curitiba, que dá 40% de desconto nas corridas. Além do app, o passageiro também poderá embarcar no táxi coletivo nos pontos de táxi. Os valores das corridas poderão ser negociados com o motorista, mas atenção: o valor não pode ultrapassar o total registrado no taxímetro, que deve obrigatoriamente estar ligado até o fim da corrida.

Na corrida coletiva, o valor pago por cada passageiro varia conforme o local de desembarque. “Não é uma nova modalidade de táxi. Todo taxista já cadastrado na Urbs pode oferecer também a modalidade táxi coletivo a partir de agora, desde que ele respeite as regras do decreto”, enfatiza o gestar de táxis e transporte comercial da Urbs, Alessandro Cesar de Souza. O decreto,proíbe, por exemplo, que o taxista aborde passageiros em pontos de ônibus.

Lotação

Já com o táxi lotação, origem e destino obedecem uma rota definida pela Urbs. A modalidade será ofertada apenas em situações excepcionais, como em greves do transporte coletivo ou em grandes eventos.

O taxista deve se cadastrar para explorar a modalidade. Os valores por passageiro serão estabelecidos pela Urbs para cada ocasião e o taxímetro vai permanecer desligado. Embarque e desembarque podem ser feitos nos pontos inicial, final ou no transcorrer do trajeto.