Os consumidores residenciais da Região Metropolitana de Curitiba saíram da meta de redução de consumo em novembro. O índice da Meta20, que foi atingida em outubro, caiu para 13,48% segundo levantamento da Sanepar. Desde outubro o nível dos reservatórios subiu três pontos, mas o consumo residencial teve um aumento de 8%, o que anulou todo esforço conquistado.

Isto significa que mais de 500 milhões de litros de água deixaram de ser economizados. A Meta20 era um desafio proposto pela Sanepar para que os consumidores economizassem 20% no consumo, o que frearia a redução no nível dos reservatórios que abastecem Curitiba e os municípios do entorno.

+ ATENÇÃO: “Não temos mais equipes para abrir leitos”, alerta Márcia Huçulak nas redes sociais

O diretor de Meio Ambiente e Ação Social da Sanepar, Júlio Gonchorosky, reforça que ainda não é momento de descuido. “A previsão ainda é de chuvas abaixo da média até o primeiro trimestre de 2021. Por isso, a colaboração da população é essencial para evitar que um rodízio mais severo seja aplicado”, explica o diretor.

No final de outubro o nível dos reservatórios fechou em 27,91%.  Em novembro houve uma estabilidade na faixa dos 30%. Entretanto, o aumento do consumo residencial deixa a Sanepar em alerta diante da possibilidade em aplicar um rodízio mais severo.

A campanha Meta 20 foi lançada em agosto quando foi alterado o modelo de rodízio para 36 horas de fornecimento de água por 36 horas sem água devido à tendência de queda no nível das barragens.

+ Veja também: Na UTI com covid-19, vereador Cristiano Santos é entubado. Seguidores fazem rede de oração

Em agosto, o Paraná passou a integrar o Monitor da Seca, criado devido à estiagem severa do Nordeste em 2012. Dados do observatório mostram que 62% do território paranaense estão afetados pela seca e 8%, incluindo a Região Metropolitana de Curitiba, enquadra-se em seca severa.