O radares fixos ou portáteis não poderão mais ficar escondidos nas ruas e estradas a partir deste domingo (1.º). A medida segue as normas de uma resolução (nº 798) do Conselho Nacional de Trânsito (Contran) publicada em setembro e que tinha seu início previsto para novembro. Com ela, esses instrumentos de fiscalização rodoviária deverão ser sempre sinalizados.

+Leia mais! O que, de fato, o prefeito pode fazer pela segurança pública?

Segundo o Contran, órgão vinculado ao Ministério da Infraestrutura, o objetivo é privilegiar o caráter educativo, em vez do meramente punitivo (aplicação de multas), em suas fiscalizações preventivas no trânsito. Entre as mudanças implementadas além da sinalização obrigatória, estão a proibição do uso de equipamentos sem foto; a restrição do uso do radar do tipo fixo redutor em trechos críticos e de vulnerabilidade de usuários da via, especialmente, pedestres, ciclistas e veículos não motorizados; e a publicação da relação dos trechos e locais aptos a serem fiscalizados nos sites da autoridade de trânsito com circunscrição sobre a via.

Ainda segundo o Contran, a Resolução 798 apresenta regras e critérios técnicos para instalação e uso de radares fixos ou portáteis, de forma a evitar que sejam instalados em locais pouco visíveis. A norma determina que os locais em que houver fiscalização de excesso de velocidade por meio de medidores do tipo fixo sejam precedidos de sinalização, de forma a garantir a segurança viária e informar  a velocidade máxima permitida para o local.

+Viu essa? Mudança no Código de Trânsito prevê regras pro corredor das motos

Segundo o presidente do Contran e diretor-geral do Departamento Nacional de Trânsito (Denatran), Frederico Carneiro, o propósito das mudanças é fazer com que o condutor seja alertado do limite de velocidade da via, perceba os riscos, reduza a velocidade do veículo e, com isso, reduza as chances de sofrer acidentes.

“O que se pretende é fazer com que os limites de velocidade sejam obedecidos em vez de simplesmente multar o condutor. A fiscalização ostensiva e educativa fortalece medidas preventivas e de segurança, evitando violações de normas”, acrescentou Carneiro, em e-mail enviado à Agência Brasil.

+Leia mais! Renovação da CNH a cada 10 anos tem texto-base aprovado na Câmara, com restrição de idade