A Câmara de Curitiba vota nesta terça-feira (19) em segundo turno a proposta de reajuste anual do funcionalismo municipal encaminhada pelo prefeito Rafael Greca (DEM). Após tumulto na votação em primeiro turno segunda-feira (18), quando servidores chegaram a entrar em choque com a Guarda Municipal, a sessão na manhã desta terça transcorre normalmente. Na votação em segundo turno, a Guarda Municipal não tem reforço da Polícia Militar (PM) no prédio histórico da Câmara. Entretanto, um cordão do Grupo de Operações Especiais (GOE) da GM está de prontidão na frente da Câmara.

LEIA TAMBÉM – Maria Fumaça mais antiga do PR já tem data para iluminar o Natal de Curitiba

Um grupo de aproximadamente 20 manifestantes está do lado de fora da Câmara. Seis servidores vão acompanhar a votação em segundo turno de dentro da Câmara. ” O dia de ontem é algo que não podemos aceitar com a violência. Quando passa para agressividade é sempre ruim, mas tivemos pichação das escadas e quebra de janelas. Ainda bem que ninguém se machucou”, relata o vereador Pier Petruziello ( PTB), líder do prefeito Rafael Greca na Câmara.

Na votação em primeiro turno segunda-feira, das propostas do chamado “pacotaço do Greca” foi aprovado o projeto que congela a progressão de carreira dos servidores até 31 de dezembro de 2021 e a limitação da liberação de funcionários da casa para sindicatos. Ainda pela proposta do prefeito, a data-base será corrigida em 3,5% — índice abaixo do que pleiteavam os servidores. Este texto foi aprovado por 33 votos a 0 em regime de urgência.