No ano 2000, dois bombeiros se arriscaram para salvar de um incêndio hóspedes de um hotel na rua Desembargador Westphalen, no centro de Curitiba.

A operação foi tão difícil que o capacete de um dos soldados – feito de um material preparado para resistir a temperaturas perto de 1000 graus C – chegou a derreter.

No fim, os hóspedes foram salvos. O soldado ferido também. Sobrou o capacete marcado pelo fogo como um dos itens mais impressionantes do acervo do Centro Histórico do Corpo de Bombeiros do Paraná.

+Leia também: Volkswagen terá que pagar R$ 17 mil a cada um dos 17 mil donos de Amarok

O novo museu que conta a história dos bombeiros no Paraná inaugura nesta quinta (3) às 10h. O Centro Histórico ocupa um espaço no pátio do Quartel do Comando do Corpo de Bombeiros do Paraná, na Rua Nunes Machado, número 100, centro de Curitiba.

Com visitação gratuita e aberta ao público, o museu expõe documentos, objetos, relíquias, instrumentos de trabalho, fotos e viaturas antigas com o objetivo de contar a história da corporação e, ao mesmo tempo, a de Curitiba e a do Paraná.

O museu vai funcionar de segunda a sexta. Das 9 às 11h30 e das 13 às 16h. A entrada é franca.

+Leia também: Dupla de Curitiba cria app que ajuda na rotina de crianças autistas

A abertura do espaço de memória dos bombeiros é um projeto antigo que saiu do papel pelas mãos da equipe liderada pelo major Félix Pedroso.

“Nossa iniciativa surgiu para, primeiro, reunir o acervo em um único espaço para preservá-lo, mas principalmente porque o Corpo de Bombeiros é uma parte da sociedade que reconhece as ações importantes que nós fizemos nestes mais de 100 anos. O museu é para todos nós”, disse.

Um dos destaques do acervo, aliás, são os documentos de fundação do Corpo de Bombeiros no Paraná que mostram que tudo partiu de uma demanda da sociedade.

A atual corporação nasceu do grupo de Bombeiros Voluntários da Sociedade Teuto-brasileira de Bombeiros que se reuniu em 1897 com o corpo oficial  criado em 1912 pelo Presidente da província Carlos Cavalcanti.

“O que aconteceu foi que um cidadão ganhou na loteria e fez uma doação de 10 mil contos réis ao erário com a condição de que fosse criado um Corpo de Bombeiros. Era uma necessidade da população na época”, explica o Major Félix.

Os documentos que criaram o museu estão expostos, bem como todas as ordens do dia do quartel desde 1912 que ficam disponíveis para pesquisa.

+Leia também: Procedimento de congelamento pode salvar perna de rapaz de Curitiba

Instrumentos utilizados pelos bombeiros também fazem parte do acervo. Foto: Aniele Nascimento/Gazeta do Povo
Instrumentos utilizados pelos bombeiros também fazem parte do acervo. Foto: Aniele Nascimento/Gazeta do Povo

Primeira viatura

As antigas viaturas de Corpo de Bombeiros ficam em destaque na entrada do museu. Inclusive a que foi usada nas primeiras ações dos bombeiros na capital, um veículo de busca da marca inglesa Merry Weather com rodas de madeira e uma bomba de incêndio à vapor de pequeno porte acoplada à parte traseira e uma escada de aproximadamente seis metros.

Instrumentos usados em ações como machados, capacetes, uniformes e outras dezenas de itens compõem a mostra.

Há ainda centenas de fotos com registros das grandes operações e salvamentos dos Bombeiros no Paraná como o grande incêndio de 1963, conhecido como Paraná em Flagelo e ou a explosão do Navio Vicunha na baia de Paranaguá em 2004.

Como também as muitas taças erguidas pelo Caramuru, a equipe de futebol dos bombeiros muitas vezes campeão do Peladão, tradicional campeonato amador de Curitiba.

Serviço:
Centro Histórico do Corpo de Bombeiros do Paraná
Onde: Rua Nunes Machado, 100, Centro, Curitiba
Horário: de segunda a sexta das 9 às 11h30; e das 13 às 16h
Ingresso: gratuito

Vídeo mostra motorista ‘vazando’ sem prestar socorro após colisão impressionante