A cada surto mundial de uma nova doença, como o coronavírus, a população corre para as farmácias em busca de álcool gel. Em Curitiba o produto ainda não está em falta, mas a procura é grande – as máscaras cirúrgicas, por sua vez, praticamente desapareceram das prateleiras das farmácias desde que o primeiro caso de coronavírus foi confirmado no Brasil, na última quarta-feira (26). A Organização Mundial de Saúde (OMS) assegura que não há necessidade de se fazer uso indiscriminado de máscaras médicas.

Entretanto, o simples ato de lavar as mãos com água e sabão não só é mais barato como é, de fato, a melhor forma de previnir não só o coronavírus, como outras doenças virais, como a gripe, além de bactérias, parasitas e verminoses. A Organização Mundial da Saúde (OMS), inclusive, listou a lavagem das mãos como a principal medida de prevenção do coronavírus

LEIA MAIS – Vai na missa domingo? Saiba como evitar contágio do coronavírus na igreja

A médica endocrino-pediatra Myrna Campagnoli, diretora dos laboratórios Frischmann Aisengart, Ghanene e do Grupo São Camilo, explica que o ato de lavar as mãos protege a saúde humana de praticamente todos os agentes patogênicos. “É impressionante. A gente se protege contra tudo quando lava as mãos com água e sabão. É a melhor forma de proteção individual que existe. E tem que ter água e sabão. Aquela passada de água na mão não funciona”, explica a médica.

A fricção das mãos, a água corrente e a ação do sabão atuam em conjunto quando lavamos as mãos. Dessa forma, eliminam vírus e bactérias patogênicas que possam estar em contato com a pele. Mas, conforme enfatiza a doutora Myrna, isso desde que as mãos sejam lavadas de forma correta.

“A mão tem dois lados, a palma e o dorso. Ambos os lados devem ser lavados. Quem tiver a unha comprida, é importante que se lave embaixo da unha também”, explica a médica.

Lavar as mãos x álcool gel

Lavar as mãos tem um efeito ainda mais protetivo que passar apenas o álcool gel. Isso é especialmente importante quando fazemos uso de produtos que não são de uso pessoal.

LEIA TAMBÉM – Compartilhar chimarrão pode ser um risco para o coronavírus. Entenda!

“Se o álcool gel ficar muito tempo exposto, como aqueles que ficam por meses nos ambientes comerciais, pode estar contaminado. Você não sabe se alguém abriu, colocou a mão, contaminou o produto. Álcool gel é um item de uso pessoal, guardado na sua bolsa, nas suas coisas. O ideal é que cada um tenha o seu”, explica.

Quando lavar

A regra é clara e direta. Lavar as mãos é um hábito que deve se repetir em vários momentos do dia, mas principalmente nas seguintes situações:

    Antes de todas as refeições;

    Após o uso do banheiro sempre;

    Logo que chegar em casa, para evitar trazer para casa contaminantes do meio externo;

    Depois de espirrar ou tossir nas mãos;

Celular

Além de lavar as mãos, a médica ressalta a importância de se manter o celular higienizado. Afinal, não adianta livrar a mão de todas os vírus e bactérias ao lavar as mãos e na sequência ter contato com o celular infectado.

“É preciso tomar muito cuidado de onde se coloca o celular. O ideal é que ele não entre no banheiro. Do contrário, você termina de lavar as mãos e pega no celular que estava em cima da bancada do banheiro. O celular deveria ser limpo com álcool pelo menos uma vez por dia”, reforça a médica.