enkontra.com
Fechar busca

Curitiba e Região

Nada definido

‘Menor aumento possível’, diz Greca sobre reajuste da passagem de ônibus

Negociações pelo subsídio estadual ainda estão em curso e se somam à expectativa pelo reajuste salarial para motoristas e cobradores 

  • Por Cristina Seciuk - especial para a Gazeta do Povo
O prefeito Rafael Greca visitou a fábrica da Volvo, na Cidade Industrial de Curitiba. Foto: Daniel Castellano/SMCS
Prefeito Rafael Greca. Foto: Daniel Castellano/SMCS

A prefeitura de Curitiba permanece em compasso de espera quanto às chances de manutenção do subsídio estadual ao transporte coletivo da cidade. No mês passado, Rafael Greca se reuniu com o governador do Paraná, Carlos Massa Ratinho Junior (PSD), para pedir o aporte financeiro à rede de ônibus da capital, mas não há informação sobre avanços. Em passagem pela Câmara de Vereadores na manhã dessa segunda-feira (04), onde esteve para acompanhar o início das sessões plenárias de 2019, Greca afirmou apenas que “nós estamos trabalhando para que ela [a tarifa] suba o menos possível depois de dois anos congelada”.

+ Fique esperto! Perdeu as últimas notícias sobre segurança, esportes, celebridades e o resumo das novelas? Clique agora e se atualize com a Tribuna do Paraná!

“A ideia é de uma parceria metropolitana, com o governo do Paraná, e as notícias vão ser boas”, prometeu, mas mantendo a confirmação de que o aumento é inevitável. Sobre o trabalho conjunto com a Urbs, Greca afirmou que “a Grande Curitiba é uma só, já não dá para dizer onde Curitiba começa, aonde a região metropolitana termina”, ao defender que a capital precisa do auxílio do governo estadual para a operação do sistema.

+ Leia mais: Senador Oriovisto vai comprar avião pra viajar a Brasília sem gastar dinheiro público

Ainda em janeiro, Ratinho Junior se disse favorável à concessão de subsídio à rede de ônibus de Curitiba e região metropolitana no formato de isenção do ICMS para o óleo diesel utilizado no transporte público. Essa renúncia foi regra no Paraná entre 2013 e dezembro de 2018 (válida para cidades com mais de 140 mil habitantes), mas deixou de valer por decisão do Conselho de Política Fazendária (Confaz). Segundo o governador, o Paraná vai defender a retomada do benefício na próxima reunião do órgão, em março. Para as linhas urbanas e metropolitanas de Curitiba, essa isenção reduziu em R$ 0,29 os custos de operação por passageiro.

O aporte financeiro, que no ano passado foi de R$ 71 milhões, é considerado essencial para cobrir a diferença de R$ 0,46 entre a tarifa técnica e a social – que atualmente tem valores de R$ 4,71 e R$ 4,25.

Hoje não

Apesar de falar em menor aumento possível, o prefeito Rafael Greca não respondeu ao ser questionado sobre qual seria um índice de reajuste aceitável. “Você não vai me arrancar esse número hoje, porque eu ainda preciso ver o que decidirá a egrégia Justiça do Trabalho com relação a cobradores e motoristas. Tudo tem seu tempo sobre a terra, inclusive dizer o preço da tarifa”, sentenciou ele.

+ Leia também: Confusão entre policial aposentado e homem ciumento termina em morte na RMC

O destaque dado por Rafael Greca aos trabalhadores tem explicação: a folha de pagamento é a maior fatia entre os componentes da tarifa, representa 40% do total de custos, e o mês de fevereiro é de data base. A categoria já iniciou campanha salarial e pede aumento de 10% nos salários.

Também sobre os trabalhadores da rede pública de transporte, Greca defendeu o projeto de lei de autoria do Executivo que pretende ampliar a utilização de bilhetagem eletrônica nos coletivos – e que iniciou tramitação na Câmara nos últimos meses de 2018 já em meio a polêmica.

+ Leia também: Helicóptero da Polícia Militar é enviado para ajudar nas buscas aos desaparecidos em Brumadinho

O prefeito garantiu que não vai interferir nas discussões, mas afirmou esperar que a Casa sinalize pela inovação: “É um problema para a Câmara discutir e eu acho que toda inovação é muito importante. Não teria sentido nós mantermos uma carreira de acendedores de lampiões, teria? Faz quanto tempo que os lampiões já não têm querosene”, disse o prefeito.

Para o Sindicato de Motoristas e Cobradores de Ônibus (Sindimoc), a proposta pode extinguir a profissão dos trocadores e abre o risco de demissões em massa – o que é negado pela administração.

+ APP da Tribuna: as notícias de Curitiba e região e do trio de ferro com muita agilidade e sem pesar na memória do seu celular. Baixe agora e experimente!

Após surto de sarna, presos ameaçam fazer motim se carceragem não for esvaziada

 

Siga a Tribuna do Paraná
e acompanhe mais novidades

Deixe um comentário

avatar
300

10 Comentários em "‘Menor aumento possível’, diz Greca sobre reajuste da passagem de ônibus"


Evelyn Mello
Evelyn Mello
15 dias 19 horas atrás

Cincão já tá bom. E juntando a reforma da previdência dá mais 10 anos de passageiro prá contribuir com o sistema. Ainda bem que acabou-se com VT e VA, só assim vai ter mais emprego, É muito difícil ser empresário no Brasil, .

Carlos Saczk
Carlos Saczk
15 dias 19 horas atrás

Que tal acabar com a máfia dos ônibus?

Solon da Silva Brasileiro
Solon da Silva Brasileiro
15 dias 21 horas atrás

O menor possível, parece coisa da história de Alice no País das Maravilhas, onde no caso o alcaide é a Rainha Louca.
Fujam enquanto é tempo.

jefferson alfini
jefferson alfini
15 dias 21 horas atrás

não concordo…

Tiago Ribas
Tiago Ribas
15 dias 22 horas atrás

Um transporte obsoleto e caro para o usuário. É um absurdo Curitiba não ter um metrô ligando as regiões norte e sul e leste ao oeste e as regiões metropolitanas. O sistema compartilhado da UBER sai mais em conta além do tempo. Fica complicado a pessoa trocar o carro por um coletivo lotado e inseguro

fernando. fernando
fernando. fernando
15 dias 22 horas atrás

pois é Tiago, e quando o prefeito tenta colocar uma medida para tentar baixa os custos…vem o sindicato e não quer que os trocadores sejam despedidos..como ele disse…é uma profissão que está em extinção. aliás..como muitas profissões que já não existem , ou estão sumindo

Tiago Ribas
Tiago Ribas
15 dias 21 horas atrás

Este modelo de manter um cobrador e cada ônibus é coisa do passado. Este modelo estação tubo é pior ainda, quanto custa para manter dois tubos e dois cobradores em cada parada, é muito caro, além do vandalismo e troca de peça.

fernando. fernando
fernando. fernando
15 dias 21 horas atrás

pois é, e aqui metrô teria que ser aéreo em toda a área central..aí vai contra muitos interesses, e o submerso o custo é muito alto

Tiago Ribas
Tiago Ribas
15 dias 20 horas atrás

Várias cidades dos países de primeiro mundo possuem diversas linhas de metrô aéreo, aqui na cidade européia no terceiro mundo vai ficar feio a paisagem, é lamentável!

Tiago Ribas
Tiago Ribas
15 dias 20 horas atrás

Vários países de primeiro mundo possuem diversas linhas de metrô aéreo, aqui na cidade européia no terceiro mundo vai ficar feio a paisagem, é lamentável!

wpDiscuz

Últimas Notícias

Mais comentadas