Um grave acidente envolvendo um trem e um micro-ônibus deixou uma pessoa morta e pelo menos dez feridas no bairro Cajuru, em Curitiba, no início da madrugada desta terça-feira (20), na Rua Osiris Dal Corso. Cinco viaturas do Siate, duas do Corpo de Bombeiros e diversas da Polícia Militar foram ao local prestar atendimento. O motorista do micro-ônibus alega que não ouviu a buzina do trem.

O ônibus levava para casa 15 funcionários de uma empresa que fornece peças para a montadora da Volkswagen em São José dos Pinhais, na região metropolitana. A auxiliar de produção Sirlei Mendes dos Santos, 44 anos, perdeu a vida no próprio local do acidente.

O local é o que mais tem acidentes de trens em Curitiba. Só em 2020 foram oito. Inclusive, esse não é o primeiro acidente de grande proporção: em 2018, outro acidente entre trem e ônibus deixou 25 feridos.

Cinco pessoas seguiam internadas na manhã desta terça, nenhuma em estado grave. Duas estavam Hospital do Trabalhador – entre elas o motorista do ônibus -, uma no Hospital Evangélico Mackenzie e outra no Hospital Municipal de São José dos Pinhais, na região metropolitana.

>> Veja também: Motorista de ônibus está internado e não teria ouvido alerta do trem no Cajuru

Acidente grave entre trem e micro-ônibus no bairro Cajuru, em Curitiba. Polícia Civil investiga motivo

Posted by Tribuna do Paraná on Tuesday, October 20, 2020

Uma moradora da residência atingida disse que a casa tremeu toda com o impacto do ônibus. O local onde ocorreu o acidente é o ponto que mais registra acidentes com trens em Curitiba – no cruzamento, inclusive, já houve outro acidente grave envolvendo ônibus e trem.

Após a batida, o ônibus, que levava trabalhadores de uma montadora de automóveis em São José dos Pinhais, foi jogado contra uma casa vizinha à linha de trem. A residência ficou bastante destruída, inclusive um carro que estava na garagem.

Siate faz atendimento do acidente de trem no bairro Cajuru, em Curitiba
Foto: Mariano Gomes / 147 News

Segundo o Major Félix, do Corpo de Bombeiros, os moradores da casa assistiam televisão no momento do acidente e ninguém da residência ficou ferido. “O motorista, após ser atingido pelo ônibus, conseguiu desviar de algumas árvores, mas seguiu direto para a casa. Tivemos cinco viaturas dos bombeiros, da Copel, perícia e ambulâncias”, explicou. Como a situação estava energizada, os bombeiros tiveram que esperar a Copel desligar a energia para então poder fazer atendimento às vítimas.

Balançou a casa!

Juliane Venâncio Inácio, moradora da casa, disse que o momento do acidente foi de desespero. “A gente estava vendo TV no quarto dos fundos e meus filhos estavam no quarto da frente. Ouvimos um barulho muito forte e viemos para frente. Ouvimos um barulho muito forte que balançou a casa e viemos para fora. Só tinha poeira e o acidente. Foi um desespero”, relatou a moradora.

Segundo a Rumo, concessionária da ferrovia, o maquinista tentou parar a composição, mas por causa do peso e da velocidade não deu tempo. A empresa lamentou o acidente e disse que faz constantemente campanhas de conscientização para orientar e alertar motoristas e moradores sobre os riscos de acidentes envolvendo os trens.

Polícia Civil ouve condutor da locomotiva

Um inquérito foi instaurado para apurar as circunstâncias do acidente. O condutor da locomotiva prestou depoimento nesta manhã de terça-feira (20). “Segundo ele, o trem desenvolvia a velocidade aproximada de 42 km por hora. Ele teria visualizado o ônibus se aproximando, adotou todas as medidas pertinentes como acionamento da buzina e sinais luminosos bem como chegou ao acionar o freio. No entanto, em virtude do peso da locomotiva ele não conseguiu evitar a colisão”, explica Edgar Santana, delegado responsável pela Delegacia de Delitos de Trânsito (Dedetran).

A polícia agora tenta coletar imagens do sistema de monitoramento da região, que possa ter captado o momento do acidente. Os passageiros do ônibus estão sendo identificados para que também compareçam a delegacia para prestarem depoimento.