O fim das coligações na disputa das eleições proporcionais (representantes do legislativo, ou seja, vereadores, deputados e senadores) pode acarretar no aumento significativo do número de candidaturas não só em Curitiba, mas em todo o país na eleição de outubro, cujo primeiro turno é dia 4 e o segundo turno dia 25.

A mudança vem justamente para acabar como Efeito Tiririca. Nas eleições de 2010, o humorista bateu recorde com 1,3 milhões de votos. A votação expressiva do comediante para deputado federal acabou elegendo diversos outros deputados da coligação PR, PSB, PT, PCdoB e PTdoB que tiveram votação inexpressiva nas urnas, como Vanderlei Siraque (PT-SP), eleito com apenas 93 mil votos

LEIA+ Morre Afonso Rangel, dono da Universidade Tuiuti e pré-candidato a prefeito de Curitiba

Segundo o desembargador Tito Campos de Paula, que assumiu a presidência do Tribunal Regional Eleitoral do Paraná (TRE-PR) nesta segunda-feira (3), não há como prever ainda o impacto desta mudança. Entretanto, ele confirma que haverá mais candidatos não só a vereadores, mas também à prefeitura.

“Talvez os partidos lancem mais candidatos com o objetivo de aumentar a força política. Se houver esse aumento, o tribunal está preparado para receber todos esses registros de candidaturas”, avalia o presidente do TRE-PR.

Isso porque sem as coligações, os partidos terão de investir em mais candidatos da própria legenda. Em 2016, teve mais de 29 mil candidatos a vereador e mais de mil candidatos a prefeito nos 399 municípios do estado.  

Mesmo com a alteração, os chamados “puxadores de votos”, como Tiririca em 2010, vão continuar. Só que agora beneficiando somente a própria legenda pela qual se candidatar.

Corrida eleitoral

Em Curitiba, pesquisa de opinião pública feita pela Paraná Pesquisas no final de 2019 ano trouxe pelo menos 11 nomes como possíveis candidatos à prefeitura. Entretanto, a corrida deve se concentrar em três nomes.

São eles o atual prefeito Rafael Greca (DEM), o secretário estadual da Justiça, Família e Trabalho que ficou em segundo lugar na eleição de 2016, Ney Leprevost (PSD); o deputado estadual Delegado Francischini (PSL); além do deputado federal e ex-prefeito de Curitiba Gustavo Fruet (PDT). A sondagem mostrou, na época, vantagem de Greca para a reeleição com relação aos demais, recebendo mais de 26% das intenções de voto.