A festa rave R.U Festival, que aconteceu no último final de semana, nos dias 25 e 26 de novembro, no Bioparque, no bairro Uberaba, em Curitiba, foi alvo de queixas de barulho intenso por parte dos moradores de São José dos Pinhais, na Região Metropolitana de Curitiba (RMC). Ao longo dos dois dias de shows, foram 68 reclamações registradas pela Guarda Municipal da cidade, vizinha ao local do evento. Algumas delas chegaram a vir do bairro São Pedro, que estava a cerca de 6 km do festival de música eletrônica.

De acordo com a prefeitura de São José dos Pinhais, entre os bairros de onde vieram reclamações estavam também Boneca do Iguaçu, Cidade Jardim, Centro, Bom Jesus e Aristocrata. Equipes da Guarda Municipal que estiveram de serviço na noite do dia 25 afirmam ter ouvido o ruído da festa no bairro Cachoeira, localizado a aproximadamente 15 km de distância do Bioparque.

Leia mais: Corpo de rapaz desaparecido após rave é encontrado

O festival, que começou às 16h de sábado (25) e foi até as 8h da manhã de domingo (26), foi organizado pela empresa Circuito Universitário, que afirma ter liberado toda a documentação necessária na prefeitura de Curitiba para a festa. De acordo com Marcelo Molinari, advogado da organização, o evento foi aprovado pela Comissão Permanente de Análise de Eventos de Grande Porte (Cage), responsável por permitir que grandes festas e shows aconteçam. “Essa liberação é bem rígida e contempla todos os órgãos que podem ser envolvidos nesse tipo de evento. Isso vai desde a polícia de trânsito a vigilância de som”, explica Molinari. A empresa afirma, também, não ter usado nenhum tipo de equipamento de som fora do padrão adotado por eventos similares.

A prefeitura de Curitiba confirma que a documentação do R.U Festival foi aprovada pela Cage, mas a Secretaria Municipal do Meio Ambiente, porém, não chegou a executar a fiscalização para verificar se os acordos de volume de som foram cumpridos.

Por causa do grande número de reclamações dos moradores de São José dos Pinhais, a prefeitura da cidade da RMC explica, por meio de nota, que irá “tomar as providências cabíveis junto à prefeitura de Curitiba”.