Curitiba e as cidades da região metropolitana (RMC) terão um protocolo único de enfrentamento da pandemia de coronavírus. As regras serão anunciadas pelo governo do Paraná sexta-feira (19), após Curitiba chegar a 85% de ocupação dos leitos de UTI. Este índice levou a médica infectologista Marion Burguer da Secretaria Municipal de Saúde a afirmar que se não houver mudança no comportamento da população, as vagas de UTI vão acabar em duas semanas.

A principal medida na ação conjunta entre capital e RMC será a formatação de uma tabela de horários de atividades comerciais, industriais e de serviços, que devem reduzir as aglomerações de passageiros nos ônibus. Além disso, a capital e os municípios vizinhos tomarão medidas conjuntas de permissão ou proibição de atividades comerciais, sociais e religiosas, conforme o avanço do coronavírus.

VIU ESSA? – Abertura de academias será revista: “Pandemia chegou”, diz secretária de Saúde

A decisão foi tomada em reunião por videoconferência do governador Ratinho Jr com os prefeitos de Curitiba e cidades da região. “Temos que cadenciar as decisões para chegar ao final dessa maratona. Curitiba sozinha não vai suportar toda a demanda por conta da relação comercial dos municípios vizinhos com a capital. Não adianta Curitiba fechar e os outros municípios não”, avaliou o governador à Agência Estadual de Notícias. “Temos um grande problema no transporte público, queremos diminuir a circulação nessa região. Os municípios têm que nos ajudar a tomar uma decisão conjunta”, complementou Ratinho Jr.

O prefeito de Curitiba, Rafael Greca, afirma que as medidas conjuntas podem ajudar a diminuir a possibilidade de lockdown, quando todas as atividades menos as essenciais ficam proibidas. “Todos nós, prefeitos, decidimos ser parceiros e ouvir as recomendações do governador, para poupar a nossa região e o nosso Paraná da grave emergência sanitária que nos empurra para um lockdown, que nenhum de nós deseja”, afirmou o prefeito de Curitiba Rafael Greca ao site da prefeitura.

Também estão em estudo outras medidas a serem implantadas em Curitiba e região metropolitanas. Segundo o governo do estado, estão sendo avaliados o fechamento dos shopping nos finais de semana; a proibição do ingresso de crianças menores de 12 anos em supermercados; o reforço na orientação de isolamento social para idosos com mais de 60 anos; a proibição de consumo de bebidas alcoólicas nas ruas depois das 22 horas; e a proibição de aglomerações em pátios de postos de combustíveis, praças e parques.

Ônibus preocupam

Em entrevista ao jornal Meio-Dia Paraná segunda-feira (15), em que admitiu a possibilidade de lockdown regional, o secretário estadual de Saúde, Beto Preto, já havia demonstrado preocupação com os ônibus. Tanto que ele disse que seria necessário criar ainda nesta semana um escalonamento de horários de trabalho.

VEJA TAMBÉM – Paraná avalia lockdown regional após aumento de 354% nos casos de covid-19

“Tomamos a medida de manter as aulas interrompidas e temos ônibus com lotação acima do normal”, disse o secretário em entrevista. “Temos o esforço de muitos paranaenses com seus filhos sem aula, mas ao mesmo tempo as pessoas continuam se aglomerando em horário de pico no transporte, com os ônibus muitas vezes com o número maior de passageiros que deveria ter”, finalizou Beto Preto.

Desde segunda-feira, os ônibus de Curitiba circulam com 50% da capacidade de lotação. A mesma medida foi tomada nos ônibus da região metropolitana. Em Curitiba, as linhas expressa e ligeirinho devem sair dos terminais com 30% da capacidade para ao longo do trajeto alcançar 50%. Mesmo assim, a maioria das linhas registrava lotação.


A Tribuna precisa do seu apoio! 🤝

Neste cenário de pandemia por covid-19, nós intensificamos ainda mais a produção de conteúdo para garantir que você receba informações úteis e reportagens positivas, que tragam um pouco de luz em meio à crise.

Porém, o momento também trouxe queda de receitas para o nosso jornal, por isso contamos com sua ajuda para continuarmos este trabalho e construirmos juntos uma sociedade melhor. Bora ajudar?