O Campeonato Brasileiro de Ciclismo de Estrada e Pista Elite e o Campeonato Brasileiro de Paraciclismo de Pista, que estavam previstos para ocorrer em Curitiba no fim deste mês e início de dezembro, foram cancelados por causa da pandemia de coronavírus (covid-19). Participantes reclamam que o cancelamento ocorreu em cima da hora, após eles gastaram com os testes RT-PCR de covid-19

A decisão foi tomada na tarde de quarta-feira (25), após uma reunião da Secretaria Municipal da Saúde que contou com a presença de um representante da Confederação Brasileira de Ciclismo (CBC). As provas seriam na pista do Jardim Botânico e na BR-277, entre os dias 30 de novembro e 6 de dezembro, em etapa única para definir o campeão brasileiro nas categorias por idade. Mais de 100 atletas iriam participar.

Segundo a CBC, o motivo da decisão foi a evolução dos casos da covid-19 durante os últimos dias, especialmente na região Sul do Brasil. Um dos critérios que pesaram foi a lotação dos leitos hospitalares em Curitiba. A CBC diz que ninguém gostaria de ter o campeonato cancelado, mas as equipes multidisciplinares e suas áreas técnicas têm acompanhado os números.

“Os números realmente vêm subindo de forma considerável em Curitiba. O ciclismo é um esporte que necessita de um planejamento específico  de suporte médico, hospitais credenciados, etc. E na atual situação que a cidade está entrando, poderíamos ter sérios problemas com essa questão. Além de todos os outros pontos de conter a transmissão e contágio, prezando pela segurança de todos os envolvidos”, diz a nota enviada a pedido da reportagem da Tribuna.

A prefeitura de Curitiba também informou na tarde desta quinta-feira (26) que a decisão de suspender os campeonatos de ciclismo “ocorreu por questões de segurança e para preservar a vida dos atletas, organizadores, árbitros e equipes de apoio”. Ainda conforme a prefeitura, o aumento do número de casos de transmissão e contágio da  covid-19 em Curitiba foi o fator determinante para a suspensão das competições.

“A decisão foi tomada em conjunto com a Secretaria Municipal da Saúde. Um evento nacional deste porte, com mais de 100 bicicletas largando juntas, gera aglomeração. Mesmo com testes dos atletas indicando negativo para a doença, optou -se pela cautela e adiar as competições para uma nova data, assim que for possível, em 2021. Essa data será definida em conjunto com a Confederação Brasileira de Ciclismo e a Federação Paranaense de Ciclismo”, diz o texto.

Em cima da hora

Pegos de surpresa, os atletas reclamaram da decisão tomada em cima da hora. Para competir, uma das exigências na inscrição era fazer o teste de coronavírus tipo RT-PCR, que custa de R$ 200 a R$ 350, e apresentá-lo cinco dias antes das provas. Muitos já haviam feito o teste e terão que arcar com o esse custo.

Foi o caso do atleta da categoria Júnior Marcelo Igor, 18 anos. Ele é do Interior de São Paulo e compete pela equipe de ciclismo de Sorocaba. Marcelo Igor estava hospedado em Curitiba, treinando, desde a última quinta-feira (19). Agora, com a decisão, voltará para casa frustrado. “Muito triste. Fora o valor do teste, há o tempo de treino que a competição exige, custo da hospedagem. Os atletas, geralmente, bancam isso do bolso”, reclama o atleta. 

Foto: Reprodução/Instagram Marcelo Lodi.

Ainda de acordo com ele, o Brasileiro é uma competição importante. “Nós seguimos todos os protocolos. O difícil é cancelar há menos de uma semana. Poderia cancelar antes. Assim, nenhum atleta gastaria dinheiro e tempo vindo pra Curitiba pra se preparar”, desabafa. Marcelo fez o teste para covid-19 na manhã de quarta-feira (25). O exame custou R$ 220. O atleta é vice-campeão paulista de resistência e vice-campeão paulista de contra relógio.

A decisão da prefeitura inclui a suspensão de todos os eventos esportivos de ciclismo previstos para serem realizados na cidade no mês de dezembro de 2020.