A Polícia Civil do Paraná (PCPR) segue investigando e prendendo uma organização criminosa que teria lucrado mais de R$ 10 milhões vendendo cirurgias bariátricas que são feitas sem custo no Sistema Único de Saúde (SUS). Um vereador e candidato à reeleição na cidade de Carlópolis, na divisa com São Paulo, é um dos alvos da operação. A polícia não revelou o nome do político.

+Leia mais! Pra defender sua família, homem reage a assalto e mata suspeito em Curitiba

São sete mandados judiciais sendo cumpridos em Carlópolis, Santo Antônio da Platina, Jacarezinho, todos municípios do Norte Pioneiro do Estado, e em Colombo, na região metropolitana de Curitiba. A primeira fase da operação, em 6 de outubro, envolveu também casos em Curitiba.

Segundo a investigação, o grupo criminoso, por meio das redes sociais ou indicações, entrava em contato com pessoas de vários estados brasileiros que demonstravam interesse em realizar a cirurgia. A oferta vinha com uma cobrança de até R$ 3 mil para que o interessado passasse na frente das pessoas que estão na fila para serem operados pelo SUS de maneira gratuita. No caso do vereador, ele teria falsificado guias do SUS que possibilitava encaminhamento de pacientes, principalmente do Estado de São Paulo, para fazerem cirurgias bariátricas em um hospital paranaense. O vereador que não teve o nome divulgado estaria atuando juntamente com médicos que assinavam essas guias.

A organização criminosa é investigada pelos crimes de extorsão, falsidade ideológica, uso de documento falso, concussão e organização criminosa. Esta é a segunda fase da operação que anteriormente teve decretada a prisão de um funcionário público estadual lotado na 2ª Regional de Saúde, no Paraná, e um vereador do interior do estado de São Paulo.