enkontra.com
Fechar busca

Curitiba e Região

Treta com o Samu

Empresário desabafa: ‘Nem um cachorro a gente deixa jogado no meio da rua’

  • Por Angieli Maros - Gazeta Do Povo

Segue afastada pela prefeitura de Curitiba a atendente do Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (Samu) que orientou deixar a vítima morrer caso não quisesse atendimento. O caso aconteceu sábado (5), durante ligação feita pelo empresário Valdeci Mikuska, 52 anos, quando tentava socorrer um imigrante venezuelano ferido na cabeça e desacordado no canteiro da Avenida Santa Bernadete, entre os bairros Fanny e Lindoia.

“Se ele não quiser atendimento e quiser morrer aí, o problema é dele”, respondeu a atendente quando Mikuska ligou pedindo uma ambulância. A atendente também responderá a um processo interno.

Mikuska contou que estava no carro com o sobrinho quando viu o homem caído no canteiro. Sem ideia da gravidade dos ferimentos e com o rapaz desacordado, o empresário decidiu ligar para o Samu. “Você liga para um órgão achando que vai te ajudar e de repente o que eles pedem é para fazer uma entrevista com o homem que estava caído, desacordado ali”, desabafou, referindo-se à série de perguntas que a atendente queria que ele fizesse ao homem ferido para verificar se precisaria realmente enviar uma ambulância.

+ Fique esperto! Perdeu as últimas notícias de hoje sobre segurança, esportes, celebridades e o resumo das novelas? Clique agora e se atualize com a Tribuna do Paraná!

A ira do empresário tem a ver com o fato de que, mesmo com o ferido desmaiado, a atendente queria uma autorização da própria vítima para enviar auxílio. “Se ele não quiser e se ele quiser morrer, daí o problema é dele. O senhor tem que perguntar para ele se quer atendimento”, insistiu a mulher na conversa, que foi gravada automaticamente por um aplicativo de celular.

“Eu falei para ela que era um ser humano caído ali. Imagina, nem um cachorro a gente deixa jogado no meio da rua. Aí quando fui perguntar para o rapaz, ela desligou”, acrescentou Mikuska.

Segundo o empresário, a segunda ligação surtiu efeito e a ambulância chegou vinte minutos depois. Nesse meio tempo, o empresário conseguiu que o ferido respondesse algumas perguntas. Ficou sabendo que se tratava de um venezuelano de 35 anos e que disse ter levado um soco. “Mas ele parecia meio alcoolizado, então chegamos à conclusão de que ele caiu e se machucou”, contou o empresário.

Conduta reprovável

Domingo, quando o caso veio à tona, a prefeitura informou ter reprovado a forma como a atendente tratou do caso. “O primeiro atendimento do Samu não foi o correto”, disse, em nota.

+ APP da Tribuna: as notícias de Curitiba e região e do trio de ferro com muita agilidade e sem pesar na memória do seu celular. Baixe agora e experimente!

Em entrevista ao programa Fantástico, da Rede Globo, secretária municipal de Saúde, Márcia Huçulak, acrescentou que, mesmo já afastada, a atendente terá a conduta avaliada por uma comissão interna e, dependendo do que for constatado, poderá até mesmo ser exonerada. “Ela vai poder se manifestar, vai se constituir uma comissão e essa comissão vai determinar se é o caso de dar uma advertência, ou uma suspensão, ou uma exoneração”, afirmou.

Siga a Tribuna do Paraná
e acompanhe mais novidades

Deixe um comentário

avatar
300

16 Comentários em "Empresário desabafa: ‘Nem um cachorro a gente deixa jogado no meio da rua’"


Alberto Roberto
Alberto Roberto
2 meses 15 dias atrás

Agora a menina pode perder o emprego por causa de um cachaceiro que nem brasileiro é e nem devia estar aqui.

Officer CWB
Officer CWB
2 meses 15 dias atrás

Certeza que o cara estava desmaiado de bebaço…., daí um bom samaritano resolve fazer uma equipe do SAMU perder tempo…, com certeza alguém que realmente precisava teve que esperar bem mais em razão desta ocorrência tosca…

Carlos Gomes
Carlos Gomes
2 meses 15 dias atrás

Certo não é mas para evitar deslocamentos desnecessários (com quantidade bem limitada de veículos) os atendentes acabam fazendo assim, deu azar que neste chamado quem ligou gravou a ligação, isso deve acontecer muito.

Domingos Jorge Velho
Domingos Jorge Velho
2 meses 16 dias atrás

A vítima estava alcoolizada. Se vcs soubessem a quantidade de vítimas reais que deixam de receber atendimento por causa de bêbados, que quando chega a ambulância recusam o atendimento e ainda tentam agredir a equipe.

Officer CWB
Officer CWB
2 meses 15 dias atrás

Exatamente….

Paulo Sprocati
Paulo Sprocati
2 meses 16 dias atrás

O Samu de Curitiba já deveria andar com um agente funerário, pelo tempo que demoram para socorrer a vítima. Todas as vezes que entramos em contato com o Samu, demoraram mais de duas horas socorrer meu que estava passando mal. Na maioria das vezes acabávamos chamando um uber.

Carlos Gomes
Carlos Gomes
2 meses 15 dias atrás

Um dos motivos que demora é por causa de deslocamentos desnecessários, ligam o samu vai e a pessoa já foi embora ou recusa atendimento (principalmente bebados, drogados e andarilhos)

wpDiscuz

Últimas Notícias

Mais comentadas