Um rapaz de 19 anos ficou ferido ao colidir o Gol que dirigia contra a traseira de um ônibus ligeirinho. O acidente aconteceu por volta das 11h desta quarta-feira (6), na Avenida Victor Ferreira do Amaral, no Tarumã, bem em frente ao Detran.

+ Fique esperto! Perdeu as últimas notícias sobre segurança, esportes, celebridades e o resumo das novelas? Clique agora e se atualize com a Tribuna do Paraná!

O acidente aconteceu no momento em que o ônibus, da linha Bairro Alto/Santa Felicidade, estava parado na estação-tubo. Não se sabe por qual motivo, mas o rapaz não desviou do ônibus e colidiu contra a traseira do coletivo.

Com o impacto, o jovem motorista bateu a cabeça no para-brisa do carro. Por conta dessa pancada, foi preciso até mesmo de apoio do médico do Siate no local do acidente, mas o rapaz não corria risco de morte, conforme análise posterior. Ele foi encaminhado ao Hospital Cajuru.

+Leia também: Policial é baleado após ser assaltado por oito pessoas na BR-277

Com a pancada, motorista bateu a cabeça e ficou ferido, tendo que ser levado ao hospital. Foto: Gerson Klaina/Tribuna do Paraná
Com a pancada, motorista bateu a cabeça e ficou ferido, tendo que ser levado ao hospital. Foto: Gerson Klaina/Tribuna do Paraná

O motorista do ônibus, à Tribuna do Paraná, contou que estava descarregando os passageiros e ouviu o momento da freada. “Só escutei a batida. Ele estava sem cinto de segurança e desmaiou em seguida”, disse Antônio Carlos Pacheco, que trabalha há 20 anos como motorista e contou que essa foi a primeira vez que sofreu um acidente desse tipo.

No asfalto, ficou a marca da frenagem, o que mostra que o motorista do Gol até tentou evitar a colisão. Essa marca, inclusive, começou alguns metros antes, o que pode indicar a velocidade em que o rapaz estava antes de colidir.

No ônibus, apesar do susto, ninguém se feriu. O acidente provocou congestionamento, mas apenas a faixa do coletivo ficou bloqueada. Uma equipe do Batalhão de Trânsito da Polícia Militar (BPTran) deve registrar o acidente.

Chão ficou marcado pela frenagem do carro. Foto: Gerson Klaina/Tribuna do Paraná
Chão ficou marcado pela frenagem do carro. Foto: Gerson Klaina/Tribuna do Paraná

Escrachado nas redes sociais, auxílio-reclusão é a maneira dos dependentes de presidiários sobreviverem