Brasília – A bancada do PT decidiu, ontem, indicar o deputado Luiz Eduardo Greenhalgh (SP) para ser o próximo presidente da Câmara. A escolha aconteceu após as desistências de Professor Luizinho (SP), líder do governo na Câmara, Arlindo Chinaglia (SP) e Virgílio Guimarães (MG), que foi relator da reforma tributária. Segundo Professor Luizinho, havia um consenso da ala majoritária do partido para a escolha de Greenhalgh. Por ter a maior bancada, o PT tem o direito de inidicar o sucessor de João Paulo Cunha (SP).

A bancada começou a escolher o próximo presidente da Câmara na última terça-feira. Como havia sete parlamentares do partido dispostos a assumir a função, a idéia inicial do partido era fazer uma pré-seleção, escolhendo três deles para um segundo turno. Durante a reunião, cada deputado escolheu três nomes, mas na contagem dos votos houve empate entre dois parlamentares. A solução foi levar os quatro candidatos mais votados para uma segunda eleição: Luizinho, Virgílio, Greenhalgh e Chinaglia.

Pouco antes, o deputado Paulo Rocha (PA) retirou a sua candidatura. Também estavam na disputa o ex-líder do PT Walter Pinheiro (BA), e o integrante da Comissão de Relações Exteriores Paulo Delgado (MG).

Na semana passada, o atual presidente da Casa, João Paulo Cunha, disse que seu sucessor vai assumir o cargo com pelo menos dois desafios: colocar em votação a proposta que reduz o recesso parlamentar e outra que revê a tramitação das medidas provisórias.

Fortalecimento

O deputado Luiz Eduardo Greenhalgh disse, em discurso após ter sido aclamado pela bancada do partido para assumir a presidência da Câmara, que a legenda saiu unida e fortalecida desse episódio da escolha do nome e que buscará com humildade a consolidação da indicação entre as outras siglas.

Ao falar do futuro, Greenhalgh disse que vai "ouvir, respeitar e dialogar" com os outros 512 deputados federais. "Foi o mesmo comportamento que tive quando presidi a Comissão de Constituição e Justiça (CCJ)", afirmou. O deputado foi cauteloso ao comentar sobre sua posição favorável à abertura de todos os documentos do regime militar. "Como presidente da instituição, tenho que me precaver e deixar com o parlamento. Vou me abster de ser o causador de polêmicas", disse.

Caso seja o eleito, Greenhalgh assumirá a presidência da Câmara a partir de 15 de fevereiro. João Paulo deixa o cargo após lutar para aprovar a emenda que daria direito à sua reeleição. Acabou cedendo e desistindo da intenção. Agora, tem grandes chances de ganhar um ministério no governo Lula.

O presidente nacional da agremiação, José Genoino (SP), chorou, ao dizer que este momento produziu uma nova fase para o PT. "Meu esforço e compromisso é repactuar a bancada", disse. Emocionado, o líder do partido na Casa, Arlindo Chinaglia (SP), elogiou a atuação de Genoino na opção que a legenda fez.

Candidato do PFL

O presidente nacional do PFL, senador Jorge Bornhausen (SC), anunciou também ontem, por intermédio da assessoria, que o líder do partido na Câmara, José Carlos Aleluia (BA), será candidato a presidente da Casa, em substituição ao deputado João Paulo Cunha. "Depois de exercer com excelência a liderança do PFL, o deputado José Carlos Aleluia está fortemente credenciado, por sua inteligência e capacidade, como legítimo candidato das oposições à presidência da Câmara", afirmou Bornhausen, segundo informação dos assessores.