O senador Flávio Bolsonaro (Republicanos-RJ) foi diagnosticado na segunda (24) com covid-19, doença causada pelo novo coronavírus, informou a assessoria do parlamentar. Flávio está sem sintomas e em isolamento em sua residência em Brasília. O senador está utilizando hidroxicloroquina e azitromicina, embora ainda não haja comprovação médica para a eficácia desses medicamentos no tratamento da covid-19.

LEIA MAIS – Bolsonaro troca “Minha Casa, Minha Vida” por “Casa Verde e Amarela” e reduz juros do programa

Flávio Bolsonaro é investigado sob suspeita dos crimes de peculato, lavagem de dinheiro e organização criminosa pela prática da “rachadinha” durante o mandato de deputado estadual no Rio de Janeiro. O esquema consiste na devolução do salário de assessores ao parlamentar e teria como operador financeiro o ex-assessor e amigo da família Bolsonaro Fabrício Queiroz.

O senador nega as suspeitas levantadas pelos investigadores. Em entrevista ao jornal O Globo, ele disse que Queiroz eventualmente pagou despesas suas, mas com dinheiro seu de fonte lícita. Dados de suas contas, porém, não mostram saques no período.

Covid-19 na família Bolsonaro

O senador é o quarto da família Bolsonaro a confirmar publicamente ter sido infectado pelo vírus. Antes dele, já foram infectados seu pai e presidente da República, Jair Bolsonaro (sem partido), a primeira-dama Michelle Bolsonaro, e seu meio-irmão, Jair Renan.

LEIA AINDA – Auxílio emergencial tem quinta parcela liberada ao Bolsa Família. Veja o calendário

Segundo o presidente e a primeira-dama, ambos não estão mais com o novo coronavírus. A mãe de Jair Renan e ex-mulher de Jair Bolsonaro, Ana Cristina Siqueira Valle, publicou nas redes sociais que o filho também está curado.

Bolsonaro acumulou declarações que minimizaram a pandemia, colocou preocupações com a economia acima da gravidade da doença e desaconselhou a quarentena como forma de reduzir o contágio.

O presidente também insistiu na cloroquina como remédio para a Covid-19, embora não haja evidências científicas de que o medicamento tenha efeito para tratar a doença.

LEIA TAMBÉM – Chuva da semana passada afeta bolso de consumidores. Abobrinha subiu 120%

Poucos dias depois de o Brasil atingir 100 mil mortos pelo novo coronavírus, pesquisa Datafolha mostrou que os brasileiros estão divididos em relação à responsabilidade de Bolsonaro pela trágica marca.

Quase metade deles, 47%, diz acreditar que o presidente não tem culpa nenhuma pelos óbitos. Os que acham que Bolsonaro tem responsabilidade somam 52% -são 11% os que o veem como o principal culpado e 41% os que dizem que ele é um dos culpados, mas não o principal.