enkontra.com
Fechar busca

+ Pop

Em Curitiba

Paula Fernandes fala sobre fama de antipática, depressão e tentativa de suicídio em evento

  • Por Lucas Sarzi

Ela sempre foi conhecida por sua voz forte e, principalmente, por se aventurar num gênero musical que não era tão aberto às mulheres, o sertanejo. Com o sucesso, veio também a exposição e sua vida começou a ficar cada vez mais em foco. Como sempre, boatos e mais boatos sobre tudo que a envolvia, mas ninguém nunca se perguntou o que realmente era verdade sobre Paula Fernandes e foi por isso que ela resolveu contar sua história num livro.

Em Pássaro de Fogo-Minha História, aquela cantora, que subiu num palco pela primeira vez aos nove anos de idade, hoje com 34 anos, traz à tona muito do que viveu e desmistifica algo que sempre foi um ‘carma’ sobre ela mesma: antipatia. “Nunca fui antipática, mas sim tímida e muito discreta. Talvez por isso posso ter levado essa fama, mas as pessoas que me conhecem sabem e agora está tudo no livro”, disse à Tribuna do Paraná durante a passagem por Curitiba para o lançamento do livro, cidade que a própria cantora disse que não poderia ficar de fora do roteiro.

Foto: Lineu Filho/Tribuna do Paraná.

Foto: Lineu Filho/Tribuna do Paraná.

Paula se avalia como uma pessoa sistemática. “Correta, muito determinada, disciplinada, perfeccionista. Também me cobro muito e cobro quem está trabalhando comigo, porque quero oferecer o melhor ao meu público. Pensando por este lado, pode ter sido aí que começaram os boatos, pois minha mãe ensinou que ‘se você não tem nada para falar, fique calado’ e eu sempre fui essa pessoa que chegava, esperava o meu momento. A minha discrição e a minha timidez pode ter sido o motivo de me acharem antipática”.

+Leia também: Em Curitiba, Paula Fernandes ajuda fã a superar o câncer e se emociona

Entre os períodos mais críticos da carreira da cantora, que também foi o auge do sucesso, Paula destaca 2011, quando foi alvo de muitas notícias falsas. “Foi um ano que trabalhei demais, fiz mais de 200 shows e estava sempre muito cansada, esgotada. Nem todos os dias estava disposta a ser o que as pessoas esperavam e isso provoca muita coisa, né?”.

Foto: Lineu Filho/Tribuna do Paraná.

Foto: Lineu Filho/Tribuna do Paraná.

Hoje, passado tanto tempo, a cantora avalia que pode até ter faltado preocupação com a produção. “Me prejudiquei por não ter cuidado com a própria produção, com quem estava à frente da coisa mesmo. Na maioria das vezes, essas pessoas se tornaram mais artistas do que eu, faziam exigências que não eram minhas e quem se queimava era eu”, contou Paula, reforçando que nunca foi artista de ‘mil pedidos’. “Hoje, se você entrar no meu camarim, vai ver o quanto somos simples no que pedimos. Tudo o que falam sempre foi mentira”.

Quando começou, Paula saiu do nada e decidiu, a partir de uma investida de seus pais, tentar o sucesso fora de sua cidade. No começo, ela fazia shows em rodeios e barzinhos, ganhando nada (ou quase) por suas apresentações, mas abriu mão de uma infância e depois de uma adolescência normais para insistir (e até mesmo perseguir) o sonho de viver da música. Esse sonho só se concretizou aos 24 anos, quando assinou com uma grande gravadora.

+ APP da Tribuna: as notícias de Curitiba e região e do trio de ferro com muita agilidade e sem pesar na memória do seu celular. Baixe agora e experimente!

Em livro, cantora nega sua fama de antipática. Foto: Lineu Filho/Tribuna do Paraná.

Em livro, cantora nega sua fama de antipática. Foto: Lineu Filho/Tribuna do Paraná.

Depressão e suicídio

Todo o sacrifício em busca do sucesso fez com que Paula vivesse muitos momentos bons, de aprendizado sempre, mas também lhe tirou grande parte de sua energia e o desgaste provocado por essa busca incansável cobrou seu preço, na forma de uma depressão. Paula conta, no livro, um momento de sua carreira, quando pensou em tentar suicídio duas vezes seguidas.

No livro, Paula conta como venceu a depressão e, na contramão de outras autobiografias de artistas, fala do lado difícil da fama e como é importante continuar acreditando e lutando. Com sua história, a cantora pretende mostrar que não importa a classe social, local onde vive, o sonho é pra todos e se você acredita neste sonho tudo é possível. “Tenho duas intenções com este livro: a primeira delas é estimular a leitura e a segunda é mostrar para quem está em casa que essa pessoa pode superar um problema como eu superei e essa pessoa pode ser vitoriosa”.

Como formadora de opinião não só pela música, mas também por tudo o que fala e faz, Paula sabe que tem um grandioso poder nas mãos e se preocupa com isso. Pensando por este lado que a ideia do livro foi ir além de simplesmente contar sua vida. “Tentamos passar essa ideia de superação, de que nós podemos sempre superar a situação que enfrentamos. A gente sempre pode ser mais”, definiu Paula.

Em sua essência, a ideia do livro é mostrar a verdadeira Paula Fernandes, a mesma que sabe que não adianta nada voar longe, ter sucesso e dinheiro, se não tem para onde voltar. “Porque podem dizer o que quiser de mim, mas a minha verdade, quem eu realmente sou, tá neste livro”.

+Leia também: Documentário sobre o ‘feminejo’ terá participação de Paula Fernandes e outras

Cantora ainda conta como superou a depressão, depois de duas tentativas de suicídio. Foto: Lineu Filho/Tribuna do Paraná.

Cantora ainda conta como superou a depressão, depois de duas tentativas de suicídio. Foto: Lineu Filho/Tribuna do Paraná.

Novos projetos

Para o ano que vem, a cantora adiantou à Tribuna do Paraná que já planeja um novo disco. Recentemente, inclusive, ela esteve em estúdio fora do país para preparar esse material que vem por aí. “Vem muita coisa no ano que vem”, comentou ela, reforçando que os fãs vão ter que esperar, mas não por muito tempo. “A partir de janeiro tem vários lançamentos, mas ainda não posso contar o que é, surpresa”.

Último show da turnê acústico vai ser em Curitiba. Foto: Lucas Sarzi.

Último show da turnê acústico vai ser em Curitiba. Foto: Lucas Sarzi.

Mesmo com novos projetos, a cantora já tem data para voltar à Curitiba e, dessa vez, com mais um motivo especial. “O último show da turnê Acústico, Voz e Violão, vou fazer em Curitiba. É uma forma de agradecer o público da cidade, que é sempre muito querido e tem muito carinho por mim”, contou ela, reforçando que espera todos no show, marcado para 13 de julho, no Teatro Positivo. “Enquanto isso, espero que gostem do livro, que entrem na minha história. Mas quero que estejamos todos juntos no último show da turnê Acústico, que vai ser aqui”.

Os ingressos, para o show do ano que vem, já estão disponíveis e variam de R$ 80 (meia-entrada) a R$ 410 (inteira), de acordo com o setor. A venda é pelo Disk-Ingressos.

Dupla Jorge e Mateus estaria em ‘pé de guerra’

 

Siga a Tribuna do Paraná
e acompanhe mais novidades

Deixe um comentário

avatar
300

Seja o Primeiro a Comentar!


wpDiscuz

Últimas Notícias

Mais comentadas