Time com mais participações na história do Mundial de Clubes, o antigo saco de pancadas Auckland City está na semifinal da competição pela primeira vez. Neste sábado, a equipe da Nova Zelândia surpreendeu o argelino ES Setif, representante da África, vencendo por 1 a 0 em Rabat, no Marrocos.

O único gol do jogo foi marcado aos 7 minutos do segundo tempo. Após cobrança de escanteio, Irving pegou a sobra na área, cortou para a direita e bateu rasteiro. O goleiro Khedairia, encoberto, até bateu na bola, mas não conseguiu evitar o gol. O resultado acabou premiando a equipe que mais procurou o jogo.

Na semifinal, quarta-feira, o modesto time da Nova Zelândia vai encarar o San Lorenzo, campeão da Libertadores. O Auckland conta com um argentino, o atacante Emiliante Tade, um dos sete estrangeiros do time titular. Como os demais, não tem passagem por nenhum clube das principais ligas, tendo se profissionalizado na Nova Zelândia.

Desde que a Austrália migrou para a Confederação Asiática, os times neozelandeses se classificaram oito vezes para o Mundial de Clubes como campeões da Oceania – a sequência foi quebrada em 2009, pelo Hekari United, de Papua-Nova Guiné.

Como a Oceania é o continente com menor tradição no futebol, desde que o Mundial adotou o atual modelo, os times de lá entram na fase preliminar. O Auckland disputou as últimas três edições, perdendo sempre na estreia, no chamado playoff. A equipe ficara em sexto em 2006 e quinto em 2009 – na ocasião, venceu o Al-Ahli. Em ambos torneios o Mundial teve apenas seis times.