Beto marca o terceiro
gol do Paraná neste lance.

O Engenheiro Beltrão queria se livrar da lanterna do grupo A ontem à noite, no Pinheirão, mas o Paraná Clube fez o dever de casa. É bem verdade que o Tricolor não jogou bem – no 1.º tempo, o jogo chegou a dar sono. Entretanto, o resultado foi expressivo: 4 a 2, numa goleada que dá novo ânimo ao time da Vila, que vinha de três derrotas.

A partida não marcou apenas a estréia de Sandri. Em campo, o que se viu foi um time cheio de novidades. Sob a batuta dos experientes Renaldo e Beto, os garotos revelados nas categorias de base fizeram bonito, mostrando muito empenho. Tanto que o grande destaque foi o meia Thiago Neves, que se projetou na Copa São Paulo de Juniores. Ele sofreu o pênalti no primeiro gol, participou da jogada do terceiro e fez um de cabeça. ?Estava esperando anisosamente por esse gol?, comemorou a revelação.

Mas como o próprio treinador comentou após o jogo, o time demorou a engrenar. No início, as ações estavam equilibradas e o Engenheiro chegou a assustar. No entanto, valeu a estrela do atacante Renaldo. Quando Thiago Neves foi derrubado na área por Anderson, o artilheiro, cobrador oficial, cumpriu a escrita de nunca ter perdido pênaltis.

Com o gol, o Paraná ficou um pouco mais tranqüilo e começou a tocar melhor a bola. Fazendo a bola passear no gramado, o Tricolor cresceu e teve boas chances.

A vantagem, porém, veio apenas na etapa final, quando o jogo ficou mais movimentado. Aos 13?, Júnior salvou finalização de Thiago da entrada da área, mas no lance seguinte, aos 15, ele deixou o dele, de cabeça.

Com a vantagem no marcador para o Tricolor, o Engenheiro partiu para cima e deu espaços ao Paraná contra-atacar. Só que o feitiço virou sobre o feiticeiro. Mais vulnerável defensivamente, o Tricolor tomou um gol de contra-ataque, quando Viola recebeu lançamento e, livre de marcação e diminuiu. A resposta veio aos 27. Thiago Neves fez jogada individual, a zaga aliviou, mas Beto estava esperto e marcou o terceiro.

No melhor estilo ?toma lá, dá cá?, o Engenheiro fez mais um. João Vítor chegou atrasado na bola e derrubou Cléber na área. Na cobrança, Viola fez o 2.º.

Quando todos já esperavam o apito final, Marlon, que entrou no decorrer do jogo, marcou um belo gol, deixando Júnior no chão.

Com os pontos de ontem o Paraná chegou a dez e mantém viva a esperança de classificação à segunda fase. O próximo desafio é contra o União Bandeirante, domingo, às 16h, no Estádio Comendador Meneghel, em Bandeirantes.

CAMPEONATO PARANAENSE
Local: Pinheirão
Árbitro: Sandro Schmidt
Assistentes: Ismael Ferreira da Fonseca e Sidnei Naime
Gols: Renaldo aos 29? do 2º tempo; Thiago Neves aos 13?, Viola aos 24 e aos 35?, Beto aos 27? e Marlon aos 48?do 2º tempo
Cartões amarelos: Buiú, Marcelo, Élton Silva, Giba, João Vítor e Vicente
Público pagante: 405
Público total: 505
Renda: R$ 3.590,00

Paraná 4×2 Engenheiro Beltrão

Paraná
Darci; Fernando Lombardi (Élton), João Vítor e Alison; Alex, Beto, Goiano, Thiago Neves e Vicente; Giba (Marlon) e Renaldo (Hideo). Técnico: Lori Sandri.

Engenheiro Beltrão
Júnior; Maicon, Anderson, Marcelo e Rodrigo (Cléber); Hernandes, Reginaldo, Buiú e Rubens Júnior (Samuel); Tóbi e Élton Silva (Viola). Técnico: Mílton do Ó

Paraná Clube costura parceria com Ratinho

Onde há fumaça, há fogo. Na terça-feira à tarde os empresários Ney Santos e Naor Malaquias, que trabalham para Ratinho, estiveram na Vila Capanema e despertaram os comentários de que a Massa Sports vai entrar na onda de parcerias com o tricolor. Há cerca de um ano, o assunto Ratinho-Paraná foi ventilado, mas não houve acordo.

Em Cianorte, comenta-se inclusive que o primeiro nome da parceria que vem defender o tricolor é o atacante Valdiran, que está entrando na pasta de atletas da Massa.

Um sintoma de que a parceira está próxima é o fato de o presidente do Paraná, José Carlos de Miranda, ter confirmado que a parceria com o empresário Sérgio Malucelli será revista, com menos exclusividade. "Hoje temos apenas o Edinho, o Vicente e o Maranhão que são frutos da parceria. Estamos estudando uma nova forma de trabalhar com eles", disse.

A quebra de exclusividade com Malucelli também abre caminho para a penetração do empresário Juan Figger na Vila Capanema. Miranda deve reunir-se com ele ainda esta semana. Como o técnico Lori Sandri faz parte dos "protegidos" de Figger e virão dele possíveis indicações de atletas para reforçar o time, um acordo entre o dirigente e o empresário será muito bem vindo.

Reforços

Ontem à tarde surgiu nos bastidores o nome do meia-esquerda Lê, que já jogou no Inter e estava na Arábia. Entretanto, segundo o vice de futebol José Domingos, tudo não passa de uma jogada de empresário. "Eles adoram falar isso. Lançam o nome na mídia e mesmo que não nos interesse, o jogador fica na mídia e pode chamar atenção de outro clube. Aqui não joga."

Quem assinou contrato na terça-feira foi o meia-esquerda André Pastor, que chegou na semana passada para um período de testes. Ele foi bem na movimentação de segunda-feira e o técnico Lori Sandri deu o aval para assinatura de contrato, que vai até dezembro deste ano. Ele tem 24 anos, começou a carreira no Guarani, passou pelo Toluca, do México, e estava no futebol ucraniano.