Tinha tudo para dar errado. E deu. O Paraná Clube perdeu de virada, ontem, para o Duque de Caxias, por 2×1, em Mesquita, na Baixada Fluminense. Mal escalado, falhando muito em campo e sem conseguir vencer o péssimo gramado do estádio Giulite Coutinho, o Tricolor perdeu nova chance de subir na classificação do Campeonato Brasileiro da Série B, caindo para a 16.ª colocação, na porta da zona de rebaixamento.

Dentro de campo, o Paraná vinha diferente. Dedimar fazia sua estreia, e apesar de ele jogar na zaga havia muita expectativa -porque ele seria o líder que Sérgio Soares tanto queria, porque podia ser uma nova opção para as jogadas de bola parada e porque poderia se firmar como titular.

Mas o destaque do primeiro tempo foi o péssimo gramado do estádio Giulite Coutinho, que teve apenas 203 pagantes. É de se pensar como a CBF permite que um campo tenha condições tão ruins para os atletas.

Sofrendo para trabalhar a bola, o Paraná foi dominado no início do jogo. Com cinco homens no meio, o Duque impedia que João Paulo e Davi criassem boas jogadas, e chegava perto do gol aproveitando as pixotadas de Dedimar e principalmente Aderaldo.

A partida mudou de figura quando, aos 26 minutos, Gabriel foi derrubado por Santiago dentro da área. Pênalti marcado e Dedimar pensou que era o Djalminha, cobrando com displicência e perdendo o lance.

Mas o árbitro Marcelo Aparecido de Souza, de atuação ruim, mandou voltar, dando ao zagueiro e capitão nova chance de converter. E Dedimar, aos 28, abriu o placar e marcou seu primeiro gol com a camisa tricolor. “Ainda bem que tive a segunda chance”, resumiu o jogador.

O jogo, entretanto, era complicado, porque a zaga paranista falhava muito e Davi saíra lesionado ainda na primeira etapa -Sérgio Soares decidiu colocar Bebeto em seu lugar.

Piorou quando Aderaldo, que foi surpreendentemente escalado, foi expulso aos dez minutos do segundo tempo. O Duque partiu para o ataque, e logo depois empatou com Thiago Santos, que se antecipou à marcação e venceu Ney.

De time que administrava o resultado, o Tricolor passou a ser pressionado constantemente. Até chegar aos 21 minutos, quando Dirley derrubou Oziel. Outro pênalti, mesma história, desta vez do lado dos fluminenses. Edivaldo cobrou, Ney defendeu, o juiz mandou voltar, Edivaldo bateu e fez na segunda chance.

Após virar, o Duque de Caxias recuou, e o Paraná tentou desesperadamente o empate, promovendo inclusive a estreia do jovem Igor. A pressão tricolor aumentou com as duas expulsões dos mandantes, mas a equipe não teve competência para marcar. A tentativa de reabilitação será contra o Bragantino, terça-feira, na Vila Capanema.