Josep Guardiola manteve a modéstia nesta sexta-feira e afirmou que sua saída não mudará o estilo vitorioso do Barcelona na próxima temporada. Para o treinador, o time continuará “tão competitivo” quanto foi nos últimos anos, desta vez sob o comando do seu auxiliar Tito Vilanova.

“Sinto que deixei algumas coisas boas para trás no clube e que outros vão continuar o bom trabalho. Tenho certeza de que no próximo ano o time seguirá tão competitivo quanto agora”, afirmou o treinador, após conquistar a Copa do Rei, com uma vitória por 3 a 0 sobre o Athletic Bilbao, em Madri. “Tivemos um ano muito bom, com quatro títulos. Vencer esta Copa nos valoriza ainda mais”.

Em sua despedida do time que comandava desde 2008, com incríveis 14 títulos, Guardiola mostrou modéstia ao falar de sua contribuição à equipe e disse que apenas abriu caminho para outros treinadores. “Sou apenas parte do processo, mas o processo não começa por mim. Não inventei nada”, declarou.

O treinador não deixou de elogiar Lionel Messi, que superou Pelé como o maior artilheiro da história em uma única temporada, nesta sexta. “Foi um privilégio para mim treinar o melhor jogador que já vi jogar”, exaltou.

Quanto ao seu futuro, o treinador reafirmou que não pretende comandar nenhum time nos próximos 12 meses. “Já trabalhei bastante aqui e agora estou cansado. Vou continuar no banco, mas em outro clube”, afirmou.

Mesmo decepcionado por perder o técnico, após generosas propostas, o presidente do Barcelona, Sandro Rosell, não poupou elogios a Guardiola. “Foi um final feliz, fantástico, que Pep merecia para coroar o melhor treinador da história do Barcelona”, declarou o dirigente.