Quem disse que técnico não ganha jogo? Zetti provou ontem que além de ter sorte -quebrou o tabu conquistando a primeira vitória paranista na Arena – também sabe alterar o estilo de jogo de sua equipe quando necessário. Ao ver se repetir a história do primeiro jogo, na Vila Capanema, quando o Paraná teve a vantagem de jogar com um atleta a mais, mas não soube como atuar em campo, Zetti aprendeu a lição e soube armar sua equipe para fugir da forte marcação rubro-negra. Com a superioridade numérica, desta vez, o treinador deu mais liberdade aos seus alas e deixou a armação do time para Renan e Dinelson. A mudança foi decisiva para a boa apresentação tricolor. ?Dominamos o adversário durante toda a partida?, afirmou Zetti.

No primeiro tempo, o treinador manteve-se agitado à beira do gramado. A toda hora gesticulava e mandava instruções para seus jogadores. A expulsão de Netinho, lateral improvisado do Atlético, tornou-se o lance determinante para a mudança de postura da equipe paranista. Antes desse lance, o Tricolor foi pressionado pelo Atlético até levar o gol de pênalti, convertido por Alex Mineiro.

Confiança

Com um jogador a mais, Zetti aproveitou para dar confiança e acertar o posicionamento de sua equipe, montando um Paraná mais agressivo, em busca do empate. Apesar de ter equilibrado o jogo, o Paraná não conseguiu criar chances de perigo para o Furacão e terminou a etapa inicial em desvantagem.

?Vamos aproveitar a vantagem do jogador a mais. Temos que ter um bom posicionamento, tocar a bola e melhorar a precisão da bola parada?, resumiu Zetti na saída para o intervalo.

O Paraná voltou diferente no segundo tempo, agredindo o seu adversário. Mesmo com a recomposição da zaga atleticana, com a entrada de Rogério Correa, o Tricolor foi para cima e dominou o jogo. O placar final de 3 a 1 para o Paraná foi o reflexo da postura e ?da disciplina tática da equipe?, como destacou o treinador.

Zetti mereceu, inclusive, um elogio do vice-presidente do Tricolor, José Domingos, que dedicou o resultado ao treinador. ?Essa vitória é para o Zetti, que é um treinador dedicado e ainda não tinha vencido nenhum clássico pelo Paraná?, afirmou.

Após expulsão, Vadão vê derrota do ?pombal?

Vadão começou o jogo dando instruções aos seus atletas da área técnica, mas terminou o jogo acompanhando a derrota atleticana do ?pombal?.

O técnico rubro-negro foi expulso pelo árbitro no final do primeiro tempo. Segundo Vadão, nada ocorreu de anormal para que Heber Roberto Lopes o excluísse do jogo. Durante o período que pôde comandar sua equipe, Vadão orientou o posicionamento de seus jogadores e reclamou com o 4.º árbitro sobre algumas jogadas violentas dos paranistas. Uma delas foi a cotovelada dada por Vinícius Pacheco em Alan Bahia, quando os dois se estranharam em frente ao banco de reservas do Furacão. Com a expulsão de Vadão, por reclamação, o auxiliar-técnico Gersinho ficou responsável por comandar o rubro-negro na etapa final.