O Coritiba já está no Nordeste para a estreia na Copa do Brasil 2013. Contra o Sousa-PB, o Coxa aposta na experiência para iniciar a disputa com o pé direito. Depois de dois vice-campeonatos seguidos, o clube já adquiriu uma maturidade natural para atuar no torneio. No entanto, adquiriu ainda mais traquejo ao contratar o atacante Deivid, 33 anos. O jogador conhece todos os atalhos da Copa do Brasil.

Deivid conta com dois títulos na bagagem (Corinthians, em 2002, e Cruzeiro, em 2003, junto com Alex) e detém a marca de 7.º maior artilheiro da história do torneio, com 24 gols em 34 partidas. A familiaridade do atacante com a Copa do Brasil pode ser o ingrediente que faltava para o Coritiba, enfim, alcançar a cobiçada taça. “Talvez não faça a diferença, mas [a dosagem da experiência] dá um peso maior. Eu tenho bastante sorte nessa competição, e sei bem como é gostoso conquistar a Copa do Brasil. Ganhei duas vezes. É um torneio que eu gosto muito de disputar”, revela o jogador.

Os números irretocáveis de Deivid pela Copa do Brasil contrastam com os do atacante no Campeonato Paranaense. Contratado para ser o homem-gol alviverde, a atuação do jogador no Estadual deixa a desejar. Deivid marcou apenas três gols até aqui, e conta ainda com quase o mesmo número de expulsões: duas. Como comparativo, os meias Alex e Rafinha, juntos, balançaram as redes 18 vezes. Uma boa atuação do atacante amanhã, contra o Dinossauro, além de ser fundamental para avançar no torneio nacional, pode ainda contribuir para que Deivid engrene no Paranaense.

Dentro do planejamento do Coritiba, a conquista da Copa do Brasil é uma das metas para a temporada. A experiência de bater na trave duas vezes seguidas – em 2011, contra o Vasco, e ano passado, quando a decisão foi perdida para o Palmeiras -, deixou o grupo remanescente de 2012 com um nó na garganta. Para 2013, a fim de desatar esse nó, foram acrescentados ao elenco nomes com boa quilometragem de bola e acostumados a disputar o torneio. Além de Deivid, o próprio Alex, que possui o bicampeonato da Copa do Brasil (Palmeiras, em 1998, e Cruzeiro, em 2003).

O camisa 10, no entanto, foi poupado do jogo de amanhã, na Paraíba. Por isso, Deivid chamou a responsabilidade para si. No papel de líder em campo, e com o irretocável currículo, o jogador espera contribuir com sua experiência para que o time largue com o pé direito na Copa do Brasil. “É uma responsabilidade. Às vezes você pega os meninos que não estão acostumados a jogar e pode deixá-los mais a vontade em campo, passando tranqüilidade. Temos que jogar respeitando o adversário, mas para frente, buscando o resultado. Vamos buscar a vitória ou uma vantagem boa pra decidir em casa”, finaliza.