A vitória do Coritiba nos pênaltis em cima do Cascavel garantiu um breve ‘respiro‘ à diretoria alviverde. O time tem uma semana para se preparar para a final da Taça Barcímio Sicupira, o primeiro turno do Campeonato Paranaense, e esquecer momentaneamente a crise que se instalou no Alto da Glória. A eliminação da equipe na semana passada, na primeira fase da Copa do Brasil, para a URT-MG fez com que o ano do Coxa começasse com o ‘pé esquerdo‘. A desclassificação custou o cargo do técnico Argel Fucks e gerou dúvida sobre como será o ano para o time. Porém, com o foco, por ora, no Estadual, o Verdão precisa aproveitar o breve momento de trégua para colocar ‘a casa em ordem‘.

O começo de uma possível retomada no rumo do time é a escolha de um novo técnico. Na semifinal do Paranaense, o elenco foi comandado de forma interina pelo auxiliar Matheus Costa, mas a diretoria corre contra o tempo para fechar com um treinador. Os nomes cogitados até o momento são Thiago Larghi, Ney Franco, Paulo Bonamigo e Cláudio Tencati.

+ Leia mais: Coritiba rescinde contrato de lateral-direito

A pressa para o substituto tem fundamento, já que ainda que o clube tenha êxito no Paranaense, o grande objetivo será chegar em dezembro com a conquista do acesso à Série A do Campeonato Brasileiro. Com o desligamento de Argel, o Coritiba não se despede apenas de mais um técnico, mas sim de pelo menos três meses de planejamentos construídos em função dele e que agora foram para o lixo. Agora é necessário correr atrás do tempo perdido para que a luta pelo acesso não vá por ‘água abaixo‘.

Até por isso, a contratação de um novo comandante é imprescindível. O time ainda não convenceu e mesmo com um elenco muito diferente daquele de 2018, ainda é necessário que o grupo consiga o encaixe ideal. Visto como um time reativo, que não prioriza a ofensividade, é necessário que o grupo mostre que consegue render jogando com outra proposta. E essa mudança precisa ser feita o quanto antes.

+ Leia também: Nomes começam a ganhar força para comandar o Coritiba

O goleiro Wilson – herói do jogo contra o Cascavel – destacou o trabalho psicológico que foi feito pelo time antes de entrar em campo contra a Serpente. Mas a superação que o time conseguiu ao garantir, nos pênaltis, a classificação para a final do primeiro turno, é apenas o começo do trabalho que o grupo terá pela frente, como explicou o camisa 1.

“Sabemos do prejuízo catastrófico para o clube em termos financeiros que a eliminação (na Copa do Brasil) acarretou e que temos muito a fazer para compensar isso”, falou o goleiro, que tem clara as metas que o Coritiba terá pela frente este ano. “É buscar com todas as forças esse campeonato estadual para assim dar uma resposta ao torcedor e entrar forte no Brasileiro”, arrematou.

+ APP da Tribuna: as notícias de Curitiba e região e do Trio de Ferro com muita agilidade e sem pesar na memória do seu celular. Baixe agora e experimente!