Na próxima quinta-feira (14), a nova diretoria, encabeçada pelo presidente Samir Namur, assume o comando do Coritiba para o triênio 2018-2020. No entanto, a chapa Sangue Verde, que tinha como candidato João Carlos Vialle, que ficou em segundo lugar, quer impugnar a eleição coxa-branca.

A chapa está analisando documentos e se reunirá nesta quinta para esclarecer alguns pontos. A alegação é que houve vícios no processo eleitoral e na inscrição de nomes na chama Coritiba do Futuro, que venceu as eleições.

Vialle deixou nas mãos do departamento jurídico da chapa qualquer decisão, mas garantiu que tudo está embasado. “Pessoalmente, não vou tomar nenhuma atitude infantil ou que prejudique o Coritiba”, afirmou ele. Internamente, ninguém questiona a apuração de votos.

Havia a possibilidade de a Sangue Verde contar com o apoio da chapa Novo Coritiba, que tinha como candidato Pedro Guilherme de Castro, que ficou em terceiro lugar na eleição. Porém, eles não viram irregularidades na campanha.

A decisão pode aumentar ainda mais a oposição interna no Coxa. Das 150 cadeiras do Conselho Deliberativo do Alviverde, 51 delas serão da chapa Sangue Verde.