Mantendo a filosofia, mais uma vez o técnico Juan Ramon Carrasco promove mudanças na equipe para o jogo de amanhã contra o Criciúma, às 19h30. A partida abre a segunda fase da Copa do Brasil, no estádio Heriberto Hülse. Héracles, na lateral esquerda, Deivid e Zezinho no meio-campo e Ricardinho no ataque serão as novidades amanhã. Assim como já repetiu por várias vezes, Carrasco mexe na equipe de acordo com o adversário e já avisa que deve alterar a escalação no segundo tempo também – salvo se houver alguma necessidade imediata de substituição antes disso.

Mesmo promovendo tantas mudanças, o treinador acredita que hoje é mais bem compreendido pelos jogadores e não encara as críticas como problema. “É normal para nós, treinadores. O importante é que a equipe jogue bem, que ganhe, que faça e não sofra gols”, diz. Carrasco defende ainda que sua metodologia foi exposta antes de ser contratado, sem que nada disso fosse surpresa para a diretoria ou tivesse gerado alguma dificuldade.

“Não chegamos para o presidente com uma arma no pescoço, e falando: você tem que me contratar. Falamos como trabalhávamos. Alguns podem não gostar que tal jogador entre. [No Brasil] os treinadores jogam com 11 jogadores e mais três ou quatro, e nós com o elenco. É importante que todos tenham ritmo de jogo”, explica.

A prova de que o elenco já assimila o estilo do técnico se deu no treinamento de ontem cedo, no CT do Caju. A descontração dominou os preparativos antes do embarque para Criciúma. E quem puxou as brincadeiras foi o próprio uruguaio, sempre instigando os jogadores a melhorar os fundamentos com sua irreverência. “O clima é descontraído e ele nos passa liberdade”, diz o zagueiro Gustavo. Só que na partida, os jogadores já sabem: quem não seguir o que o uruguaio quer, sai.