O quarto jogo sem vencer. O quarto jogo sem apresentar um futebol minimamente aceitável. Foi assim o empate do Brasil com a Nigéria em 1×1, neste domingo (13), em Singapura. Apesar de todos os problemas de logística, faltou qualidade para um time cheio de jogadores caros e com um técnico há muito tempo no cargo.

E aí a seleção entrou em campo com quatro atacantes – Neymar, Éverton Cebolinha, Roberto Firmino e Gabriel Jesus. Se a gente esperava um time mais ofensivo, cheio de lero-lero, mal deu pra ver. Com 11 minutos, Neymar sentiu a coxa esquerda e pediu para sair. Sentou no banco de reservas e já colocou gelo no local. Entrou Philippe Coutinho – e aí já era o esquema super ofensivo.

+ BAIXE E OUÇA O PODCAST DE LETRA! O papo da semana foi sobre jogadores estrangeiros!

Voltou aquele Brasil desanimado, sem intensidade, trocando passes laterais. Do outro lado, mesmo com uma seleção bem abaixo do que já foi historicamente, a Nigéria pisava no acelerador, saía em velocidade e preocupava o nosso sistema defensivo. Mesmo com a retranca africana, era possível chegar com perigo – só era preciso querer fazer isso.

Casemiro e Richarlison após o gol do Brasil. Foto: Pedro Martins/MoWa Press
Casemiro e Richarlison após o gol do Brasil. Foto: Pedro Martins/MoWa Press

Os nigerianos queriam. E aos 34 minutos, numa linda jogada, Aribo passou por quase toda a defesa na velocidade e na técnica e abriu o placar. Era até justo. A seleção tentou acordar, mas não empolgava. Por mais que possamos questionar essa geração, temos jogadores muito talentosos, mas que juntos não conseguiam jogar – além disso, pareciam nada motivados em jogar e, para completar, estavam desconfortáveis com o péssimo estado do gramado do estádio Nacional de Singapura.

+ Hoje tem Athletico x Flamengo na Arena! Saiba tudo sobre o jogo!

Aí, no intervalo, Tite sacou Cebolinha e colocou Richarlison. Não por isso, o Brasil empatou. Na bola parada, com apenas dois minutos – após o cruzamento de Daniel Alves, Marquinhos acertou a trave, e Casemiro conferiu no rebote. O jogo melhorou, a boleirada acordou e a seleção começou a criar chances. A alteração seguinte foi a que quase todo mundo queria: Gabriel no lugar de Roberto Firmino. Vale lembrar que Renan Lodi foi titular o tempo inteiro, e jogou bem.

Mas além de tudo que já tá escrito acima, ainda tinha o calor. Se alguém que estiver lendo já visitou Manaus, Singapura é bem parecido – calor inacreditável e muita umidade. Difícil de ficar parado, imagine jogar futebol. E a partida caiu muito de produção, foi se arrastando até o apito final. Outra manhã decepcionante. Era melhor ter ficado dormindo.

Ficha técnica

AMISTOSO

BRASIL 1×1 NIGÉRIA

Brasil
Ederson; Daniel Alves, Marquinhos, Thiago Silva e Renan Lodi; Casemiro e Arthur (Fabinho); Neymar (Philippe Coutinho), Éverton (Richarlison), Roberto Firmino e Gabriel Jesus (Lucas Paquetá).
Técnico: Tite

Nigéria
Uzoho (Okoye); Awaziem, Troost-Ekong, Ajayi e Collins; Aribo, Ndidi e Iwobi (Ramon Azeez); Chukwueze (Olayinka), Osimhen (Onuashu) e Simon (Dennis).
Técnico: Gernot Rohr

Local: Nacional de Singapura
Árbitro: Foo Chuan Hui (SIN)
Assistentes: Abdul Hannan Bin Abdul Hasil (SIN) e Ong Chai Lee (SIN)
Gols: Aribo 34 do 1º; Casemiro 2 do 2º
Cartão amarelo: Thiago Silva (BRA)
Público total: 20.385