O Atlético já não esconde que Clarence Seedorf é o principal candidato a assumir o comando técnico do clube. Tanto que o holandês virá a Curitiba para conhecer a estrutura do CT do Caju e também o planejamento do Furacão. No entanto, o Rubro-Negro já se prepara para uma eventual negativa de Seedorf e trabalha com um plano B, que seria o ex-meia Leonardo, que, inclusive, se encaixa mais no perfil procurado pelo presidente do Conselho Deliberativo, Mario Celso Petraglia.

Aos 48 anos, Leonardo deixou o Antalyaspor, da Turquia, na última quinta-feira (7), após permanecer apenas três meses comandando o time. No passado, treinou o Milan e a Inter de Milçao, onde conquistou o seu título mais expressivo na carreira, a Copa Itália, em 2011. Por outro lado, teve seu trabalho mais bem reconhecido justamente como dirigente.

Entre 2003 e 2009 foi de diretor de futebol a consultor de mercado do Milan. Na época, ele foi o responsável pela contratação de uma legião de brasileiros, que teve Kaká como maior destaque. Já entre 2011 e 2013 foi diretor do Paris Saint-Germain, da França. Sua saída só foi ocasionada por uma suspensão de um ano após o dirigente empurrar o árbitro Alexandre Castro, depois de um jogo do Campeonato Francês.

Ou seja, Leonardo já tem a experiência nos dois lados, além de ter um padrão europeu, algo tão procurado pelo Atlético. Além disso, assim como Seedorf, ainda não emplacou como treinador e poderia ver no Furacão a oportunidade de voltar ao Brasil e deslanchar na carreira.

Como jogador, Leonardo foi tetracampeão do mundo com a seleção brasileira em 1994. Porém, ele foi suspenso do Mundial por acertar uma cotovelada em Tab Ramos, meio-campista dos Estados Unidos, nas oitavas de final.

Formado no Flamengo, ele jogou por São Paulo, Valencia, da Espanha, Kashima, do Japão,, PSG, e Milan. Na sala de troféus, Leonardo coleciona os títulos da Libertadores, Brasileiro, Italiano, Japonês, Copa América, Copa das Confederações e Mundial de Clubes.