O presidente do conselho deliberativo do Athletico, Mario Celso Petraglia, mais uma vez lamentou as falhas humanas que ocasionaram o consumo de doping por atletas do elenco. Nesta segunda-feira (2) o mandatário apresentou o Summit Internacional de Performance, um evento que acontecerá em dezembro na Arena da Baixada, e destacou a importância que o clube dá ao alto desempenho. Ainda que afirme que o Furacão é referência em alguns aspectos de performance, o dirigente disse que no fator nutricional o Furacão precisará correr atrás para retomar o grande nível.

“A performance tem quatro grandes pilares: nutricional, mental, treinamento e recuperação. O Athletico vem evoluindo no aspecto de treinamento e recuperação. Eu diria que estamos entre os melhores do Brasil ”, afirmou.

+ Leia também: Furacão quer ter sua própria ‘universidade’ do esporte

Porém, há um dos pilares em que Petraglia admitiu não estar funcionando como o esperado. Em maio deste ano, o zagueiro Thiago Heleno e o volante Camacho foram pegos no exame antidoping pelo uso da substância higenamina. Na ocasião, o mandatário assumiu que a culpa foi do clube e isentou os jogadores. Após meses de afastamento, há três dias, a sentença da Conmebol aos dois foi divulgada e eles poderão voltar a atuar em outubro. Ambos não entram em campo há mais de 120 dias.

“No aspecto de nutrição, lamentavelmente, existem as falhas humanas. Tivemos esse episódio marcante em nossa história e servirá de lição para jamais se repetir, tivemos um custo muito alto. Dos males o menor, felizmente logo os meninos estarão aí. Já estão liberados para treinamentos coletivos e no próximo mês poderão jogar”, destacou Petraglia.

+ Mais na Tribuna: Athletico mobilizado pra virada na Copa do Brasil

Consciente de que o Rubro-Negro precisará recuperar o prejuízo no aspecto da nutrição de seus atletas, o presidente explicou que cientificamente o clube possui muito conhecimento, mas que vai aprimorar os aspectos mais práticos para que o erro não volte a acontecer.

“Na nutrição pensávamos que estávamos em um alto nível. Estamos na parte científica, mas falhamos no sistema do controle, aí que o clube pecou. Houve uma falha sistêmica, que possibilitou esse absurdo acontecer. Jamais poderia ter acontecido em um clube que pretende ter o conhecimento e os controles que pretendemos”, explicou.

+ TRIBUNA ESTREIA SEU PODCAST DE FUTEBOL PARANAENSE! SAIBA COMO BAIXAR E OUVIR O PODCAST DE LETRA!

Otimista, Petraglia comentou que o Athletico está se dedicando a aprimorar os demais pilares da alta performance e que muito em breve se tornará referência em todos eles.

“No que tange ao treinamento e recuperação, estamos a nível de conhecimento muito além de muitos clubes considerados grandes no Brasil. Vamos retomar fortemente a parte de nutrição pra que permaneça no mesmo nível, sem esse risco de erro, e vamos nos voltar à também a parte de desenvolvimento mental”, finalizou.