O Athletico vai pra cima do Toledo com confiança para reverter a desvantagem no placar, se apegando em seu bom histórico na competição. Neste domingo (21), as equipes se enfrentam na finalíssima do Campeonato Paranaense, na Arena da Baixada, a partir das 16h. O Porco fez 1×0 no primeiro confronto e joga pelo empate, mas o Rubro-Negro promete muita luta para brigar pelo título. O Furacão precisa vencer por dois gols de diferença.

Um dos motivos para que o time comandado por Rafael Guanaes siga com confiança para o confronto é o histórico de gols conquistada ao longo do Estadual. Dos 14 jogos disputados, somando as fases de grupos e eliminatórias, a equipe conseguiu vitórias por dois ou mais gols de diferença em cinco oportunidades. Diante do Rio Branco fez 2×0 e 3×0, goleou o Toledo por 8×2, venceu o Maringá 4×0 e aplicou 3×0 no Operário.

+ Leia mais: Athletico acerta com atacante e aguarda por promessa do Juventude

Um dos destaques do time de aspirantes, o volante Erick acredita que o Athletico tem total condições de chegar a esse confronto tirando a diferença necessária. “Tivemos uma média alta de gols, devido à criação. A nossa equipe toca a bola e isso facilita para que a ela chegue na frente. Vamos respeitar o Toledo, mas precisamos buscar esses gols para conquistar o título”, disse.

Erick ressalta que o Rubro-Negro vai pra cima do Toledo. Foto: Albari Rosa.
Erick ressalta que o Rubro-Negro vai pra cima do Toledo. Foto: Albari Rosa.

Curiosamente, a desvantagem que o Furacão vai enfrentar é a mesma que o time vivenciou na final do Paranaense em 2018. Na ocasião, o Athletico perdeu o primeiro jogo da final por 1 a 0, para o Coritiba no Couto Pereira. Porém, na Arena da Baixada a ‘conversa‘ foi outra. O time do então técnico dos aspirantes, Tiago Nunes, venceu por 2 a 0 o Alviverde e ficou com o título.

+ Leia também: Athletico não sabe que time poderá mandar a campo contra o Toledo

Erick comentou que a superação vivida no ano passado pode ser usada como exemplo de sucesso para a atual equipe rubro-negra. “Serve como inspiração, mas não dá para comparar, porque são momentos e times diferentes”, explicou o volante, que prometeu entrega do time em campo.

“Sair atrás do placar é sempre ruim, mas vamos trabalhar para reverter esse resultado”, arrematou o atleta.

+ APP da Tribuna: as notícias de Curitiba e região e do Trio de Ferro com muita agilidade e sem pesar na memória do seu celular. Baixe agora e experimente!