enkontra.com
Fechar busca

Publicidade

Curitiba

Remédio vital

Imagem de Amostra do You Tube
Léli foi buscar a primeira caixa fornecida pelo governo na última sexta-feira (19). Foto: Henry Milleo

Léli foi buscar a primeira caixa fornecida pelo governo na última sexta-feira (19). Foto: Henry Milleo

Pode estar perto de um final feliz a longa batalha da promotora de eventos Léli Lourenço Córdova, 48 anos, pelos medicamentos que a mantêm viva. Ela tem um câncer incurável, e para impedir que os tumores se desenvolvam, precisa tomar diariamente o Tarceva (cloridrato de erlotinibe 150 mg), que custa mais de R$ 11 mil por mês.

Em setembro, Léli ganhou na Justiça o direito de receber o remédio da prefeitura de Curitiba, do governo do estado e da União, mas os três entes federativos recorreram. Apesar disso, o juiz manteve a obrigação dos réus de fornecer o fármaco até que a apelação seja julgada. Na última sexta-feira (19), Léli foi buscar a primeira caixa fornecida pelo Estado na Farmácia Popular do Paraná.

“Agora estou tranquila, mas apenas pelo momento, porque tenho o remédio. Espero não ter que entrar na Justiça novamente”, diz. Em dezembro, ela ganhou cinco caixas do medicamento, que dura um mês, redirecionadas de uma paciente que morreu. Com esta primeira unidade fornecida pelo governo, Léli tem remédio garantido até maio.

O julgamento do recurso de apelação não tem data prevista, de acordo com o advogado dela, Paulo César Bulotas. Mas as expectativas são otimistas. “Pela situação concreta e por outros casos semelhantes, a tendência é que o tribunal dê ganho de causa para a Léli”, explica.

O pior parece já ter passado. A Tribuna vem acompanhando o apuro da paciente que, desde janeiro de 2015, tem de se mobilizar, mês a mês, para conseguir o medicamento que garante sua sobrevida. Léli vendeu seu carro, contraiu vários empréstimos, fez rifas e bailes beneficentes. A solidariedade de familiares, pessoas próximas e desconhecidos foi essencial. “Nunca fui de receber nada dos outros. Sempre organizei eventos para casas de caridade, e depois me vi nessa situação, as pessoas tendo que me dar as coisas.”

Tratamento

Com o Tarceva, a promotora de eventos controla um câncer raro – o adencarcinoma de pulmão – que se espalhou para o cérebro. A droga “estaciona” os tumores, impedindo que se desenvolvam. Se fica dois dias sem o remédio, Léli começa a sentir dores, tonturas e convulsões. Desde que começou a tomá-lo, por várias vezes ela ficou até 15 dias sem o medicamento, por não conseguir comprá-lo.

Diagnosticada em junho de 2014, Léli passou por uma operação no mês seguinte, na qual teve mais da metade do pulmão retirado. Fez quimioterapia e radioterapia, e então passou a tomar o Tarceva. Em janeiro de 2015, o medicamento custava R$ 6 mil. Hoje, está saindo por cerca de R$ 11.200. Além dele, ela precisa de outros remédios, que custam mais de R$ 400 por mês e são pagos de seu bolso. “São troco perto do Tarceva”, diz Léli.
Atualmente, sua qualidade de vida está ótima. Voltou às atividades como promotora de eventos, faz exercícios físicos para fortalecer o pulmão e pode até viajar a trabalho. Feliz e ativa, ela torce para que o desgastante imbróglio jurídico tenha logo um fim.

Leia mais sobre o caso Léli

Luta pela vida enquanto governos não pagam remédio caríssimo

Mulher que trava batalha contra o câncer recebe mensagens de apoio

Amigas de mulher com câncer fazem baile para comprar remédio

Léli segue na luta para conseguir remédio para câncer

Perícia médica abre caminho para SUS bancar tratamento de câncer

Promotora com câncer não sabe mais o que fazer para viver

Mulher que luta pela vida recebe ajuda de empresário

Paciente consegue na Justiça remédio que controla câncer

Mesmo após vitória na Justiça, paciente não recebe remédio para tratar o câncer

Justiça determina entrega de remédio para paciente que luta para viver

Sobre o autor

Luisa Nucada

Luisa Nucada

Luisa Nucada é jornalista formada pela UFSC.

Deixe um comentário

avatar

3 Comentários em "Remédio vital"


Beyrouth
Beyrouth
3 anos 4 meses atrás

Meus parabéns. Somente se consegue alguma coisa nesse país por via judicial. Poderia ser de um jeito mais simples, que chamamos de solidariedade, fato que poucos tem.

fernando rocha
fernando rocha
3 anos 4 meses atrás

Parabéns a repórter e toda equipe da Tribuna que acompanharam o caso até o fim. Parabéns há esses que conseguiu os remédios da Prefeitura e dos órgãos governamentais que tanto precisa. Saúde é um direito de todos garantidos na Constituição. Para isso ela teve que recorrer a Justiça e conseguiu esse direto.

Leonel
Leonel
3 anos 4 meses atrás

Meus sinceros Parabéns para a repórter e toda a equipe da Tribuna, que não deixaram o caso cair no esquecimento. Só se consegue alguma coisa do governo desta forma. Esta é talvez a segunda maior função da imprensa. A primeira é informar. A segunda é dar voz ao sofrimento de quem realmente precisa, como é o caso desta senhora. Que possa amenizar sua dor.

wpDiscuz
(41) 9683-9504