Publicidade

Alto Boqueirão Curitiba

Agora vai?

Luiza Luersen
Escrito por Luiza Luersen

Em novembro do ano passado a Tribuna do Paraná esteve no bairro Alto Boqueirão, em Curitiba, e encontrou a passarela sobre o Ribeirão dos Padilhas, na Rua Campina da Lagoa, praticamente destruída. No local, algumas pessoas ainda se arriscavam, mas, logo após a reportagem, a ponte foi retirada e no lugar dela veio somente a promessa de uma nova estrutura.

Leia mais: Ponte cai no Alto Boqueirão e dificulta a vida dos moradores

Ribeirão dos Padilhas, no Alto Boqueirão, após a limpeza para o início das obras. Foto: Gerson Klaina
Ribeirão dos Padilhas, no Alto Boqueirão, após a limpeza para o início das obras. Foto: Gerson Klaina

Na última quinta-feira (19), faltando praticamente quatro meses para que o problema complete um ano, a Prefeitura de Curitiba começou a mexer na área, mas essa é a primeira etapa da obra. A construção da ponte será feita após um processo licitatório, prometido há tempos pelo órgão.

“Esta etapa é a de barreira, já que o local cedeu e precisamos resolver isso antes de começar as obras da ponte. Faremos uma barragem e iremos recuperar essa parte para seguir com as obras. Na sequência, temos o processo de licitação, que deve acontecer na segunda semana de agosto, e no máximo em dois meses as obras devem começar”, explicou o assessor de imprensa da Secretaria de Obras de Curitiba, via telefone.

Estrutura importante

O acesso, antes de se tornar um risco, era bastante utilizado por alunos da Escola Municipal Érico Veríssimo. Pela ponte passavam centenas de estudantes por dia e o risco de ser vítima de um grave acidente era ainda maior para os pequenos, já que não havia proteção nas laterais da antiga ponte. Além disso, idosos e cadeirantes utilizavam o local para atravessar com maior tranquilidade.

Antiga ponte do Ribeirão dos Padilhas. Foto: Átila Alberti.
Antiga ponte do Ribeirão dos Padilhas. Foto: Átila Alberti.

Agora, a promessa é de que a próxima estrutura a ser construída deve seja maior e mais segura, com uma extensão de 35 metros. “Antigamente ela tinha 25 metros e nós modificamos o projeto para que seja melhor. A nova construção terá 35 metros e toda essa modificação antes da obra é pela segurança, já que o solo estava cedendo e poderia se tornar um risco”, finalizou o assessor.

Leia ainda: Situação só piora na ponte do Ribeirão dos Padilhas 

Para os moradores do bairro, ver um trabalhador da prefeitura se tornou uma verdadeira alegria e esperança de mais comodidade e segurança. “Fiquei tão feliz quando vi essa máquina aqui, com esse senhor trabalhando. Eu acho ótimo, mas o problema é a demora, né? A gente está esperando faz muito tempo e temos que dar uma volta muito longa para acessar o outro lado do bairro. Espero que seja de concreto e segura, porque nós merecemos. Tomara que fique pronta logo”, contou um morador, que pediu para não ter o nome divulgado pela reportagem.

Ponte que partiu

Sobre o autor

Luiza Luersen

Luiza Luersen

Jornalista formada pela Universidade Positivo, Luiza adora contar histórias e também é apaixonada por antigomobilismo.

(41) 9683-9504