Após uma semana de internamento, Anderson dos Santos Ferreira morreu no Hospital Cajuru em decorrência de ferimentos causados durante uma troca de tiros com policiais do Centro de Operações Policiais Especiais (Cope). O tiroteio aconteceu quando Anderson, que estava acompanhado de mais dois comparsas, foi surpreendido pela polícia ao sair do caixa eletrônico do Banco Santander, na Avenida Visconde de Guarapuava, depois de retirar um aparelho que havia sido adaptado nas máquinas, conhecido como “chupa-cabra”. Esse objeto, que é um chip eletrônico, copia dados dos cartões magnéticos de clientes que utilizam os caixas eletrônicos para realizar suas transações financeiras.

Na ocasião, dia 4 de dezembro, quando o trio pressentiu que seria apanhado, tentou escapar atirando contra os policiais. Houve o revide por parte do Cope e Anderson foi ferido. Um dos comparsas foi preso e o outro conseguiu escapar.

Dois dias antes do confronto, funcionários do banco descobriram o aparelho instalado em um dos caixas eletrônicos e acionaram o Cope. Os investigadores montaram campana no local e quando os indivíduos foram buscar o “chupa-cabra” na agência foram surpreendidos.