Corpo ao lado de um poço, mas agressão aconteceu dentro de casa.

Manchas de sangue nas paredes e no chão da residência de madeira situada num carreiro no final da Rua Bernardo Milek, Jardim Bonfim, em Almirante Tamandaré, indicavam que um brutal assassinato havia ocorrido no local. Para localizar o corpo de Francisco Carlos Cordeiro, 42 anos, bastou seguir o rastro de sangue até um poço, atrás da moradia. Lá estava o homem, desfigurado, morto a pauladas.

A vítima dividia a casa com o catador de papel José Roberto que localizou o cadáver às 7h. Ele disse que saiu da moradia às 2h para recolher objetos na rua e que encontrou o amigo morto quando retornou. "O Carlinhos tava sentado no sofá, escutando rádio quando eu saí", explicou. Segundo o soldado Antunes, do 17.º Batalhão da PM, mais de uma pessoa participou do assassinato e da ocultação do cadáver.

A principal hipótese para o homicídio é desentendimento ou dívida por drogas. Conforme o irmão da vítima, Francisco morava no local há três meses e era viciado em bebida alcoólica e usuário de drogas. Próximo ao local do crime existe um ponto de venda de entorpecentes, segundo a própria PM.

A vítima foi brutalmente espancada com pedaços de madeira que foram recolhidos pelos peritos da Polícia Científica. Pelas marcas de sangue, a vítima foi inicialmente agredida em frente à moradia. Sangrando bastante, Francisco buscou se refugiar dentro da casa, mas a agressão continuou. Provavelmente, já sem vida, o rapaz foi arrastado para fora e jogado no poço de aproximadamente dois metros de profundidade.

Investigadores da delegacia de Almirante Tamandaré estiveram no local para obter mais dados que auxiliem na investigação.