Outro crime ocorrido em Piraquara, no fim de semana, está sendo alvo de investigações. Os trabalhos começaram com a declaração de Edilene Gonçalves da Silva, 24 anos, que teve seu marido, o vendedor autônomo de toalhas, Valdecir Batista, 28, morto por volta das 20h40 de sábado, na Rua Herbert Trapp, Guarituba, Piraquara.

De acordo com o delegado Carlos Mastronardi, Edilene contou que na noite do crime Valdecir saiu com o filho mais novo, de 1 ano e cinco meses, para comprar óleo e leite. Passados alguns minutos ela ouviu cerca de quatro tiros, mas disse não ter se importado porque é comum haver tiroteio na região. Em seguida, um vizinho foi até a casa do casal e contou para ela que seu marido havia sido assassinado. Quando chegou no local do crime, Edilene viu o marido morto na rua e o filho nos braços dos vizinhos.

Investigação

Sem pistas do assassinato, já que os moradores negam-se a falar por medo, a polícia trabalha com as informações passadas pela esposa da vítima. Ela contou ao delegado que há cerca de 15 dias dois homens invadiram a casa do casal, na Rua dos Lírios. Um deles teria ficado do lado de fora da residência, e o outro armado, entrou na casa. Com uma faca, Valdecir conseguiu afugentar a dupla. “Edilene não soube dizer porque isso aconteceu e afirmou que ela e o marido não conheciam a dupla. Vamos investigar se esse episódio tem relação com o assassinato”, disse o delegado.

Segundo a mulher, seu marido era uma pessoa caseira e que não tinha inimigos na região. Edilene, que está grávida de sete meses, tem outros dois filhos com Valdecir e era casada com ele há sete anos.