Foto: Anderson Tozato/Tribuna

Ione não conseguia
adotar por vias legais.

A cabeleireira Ione Ribeiro dos Santos, 49 anos, foi detida na tarde de ontem, tentando comprar um bebê de quase dois meses, de uma detenta da Penitenciária Feminina de Piraquara. Também foram presos o ex-marido da cabeleireira, José Vicente de Souza, 40, e o taxista Jorge Valarka, 54, contratado por Ione para trazê-la de São Paulo (capital) a Curitiba.

A mãe do bebê foi detida em Cascavel e tranferida na semana passada. Segundo informou, ela nunca teria aceitado vender seu filho. A negociação teria ocorrido apenas entre uma assistente social – que não teve seu nome revelado -e a cabeleireira. Ione teria começado a telefonar para a assistente social desde a última quinta-feira, para saber sobre o bebê. Desde então, Ione era monitorada pelos departamentos de inteligência do sistema penitenciário e do Serviço de Investigação de Crianças Desaparecidas (Sicride).

Contradições

Ione relatou que ficou sabendo da criança através de uma amiga, que conhecia o pai do bebê, que também está preso. Sabendo disso, conseguiu o telefone da assistente social, e começou a insistir para ficar com o bebê. A detida tinha consigo dois cheques já preenchidos, um de R$ 2 mil e outro pré-datado de R$ 3 mil, além de um enxoval para a criança e R$ 500 em dinheiro.

Ione sabia que, se viesse de ônibus ou avião, teria que mostrar os documentos da criança ao embarcar. Assim, escolheu vir de táxi. O taxista afirmou que não sabia de nada sobre a compra da criança. Ele apenas contou que foi contratado para fazer a corrida por R$ 800. A versão do motorista foi confirmada por Ione.

Souza contou que acompanhava a ex-mulher a pedido dela. Ele disse que, quando casados, tentaram adotar uma criança por meios legais, porém a Justiça não os classificou para o programa de adoções. Segundo relatou, a ex-mulher o teria informado que apenas pegaria a criança de uma família carente.

Internacional

Ione afirmou que namora, há três anos, com um inglês e que tem uma filha, de 30 anos, que mora na Itália, e disse à delegada Márcia Tavares, do Sicride, que queria adotar um bebê porque não pode mais ter filhos. A ligação de Ione com pessoas que moram fora do Brasil, faz a polícia suspeitar de um esquema de tráfico internacional de crianças. O Sicride vai averiguar para saber qual a real intenção de Ione com o bebê. Ione foi autuada em flagrante por corrupção ativa, e pelo artigo 238 do Estatuto da Criança e do Adolescente -pagar para obter uma criança.