Uma briga dentro de um karaokê, na Avenida República Argentina, no Capão Raso, zona sul de Curitiba, às 6h de ontem, resultou na morte de Maikon Arruda, de 21 anos. Segundo testemunhas, ele foi agredido e baleado por três rapazes, conhecidos como “Cabelo”, Nei e Wilton.

Por motivos desconhecidos, Maikon teria discutido com os três rapazes. Cabelo teria exibido a arma dentro do estabelecimento e ameaçado o rapaz durante a discussão. Mesmo assim, nenhum freqüentador chamou a polícia para evitar a tragédia. Todos ficaram olhando, enquanto o rapaz foi arrastado para fora e agredido pelo trio. Do lado de fora, Cabelo disparou um único tiro contra Maikon, que morreu no local.

Em seguida, fugiu numa moto Titan azul e seus comparsas em um 147 cinza. Só depois da fuga é que a polícia foi avisada.

A PM informou que na semana anterior, durante uma revista no karaokê, apreendeu duas armas no local. De acordo com investigadores da Delegacia de Homicídios (DH), o estabelecimento não tem licença para funcionar. Eles apuraram que o local é freqüentado por prostitutas e usuários de drogas.

O pai da vítima, Mário Arruda, informou que o filho trabalhava desde os 14 anos em clubes da capital. Ultimamente, prestava serviços na sauna de um dos clubes, na Vila Guaíra. “Meu filho era trabalhador”, lembrou. “Hoje (ontem) de manhã ele ia jogar futebol.” Segundo Mário, amigos de seu filho lhe informaram que Cabelo seria traficante no bairro. “Só não entendo porque mataram meu filho”, lamentou.

Investigações

O caso será investigado pela Delegacia de Homicídios, que no início da semana deverá ouvir o dono do karaokê, funcionários e clientes, que estavam no local no momento da confusão.