Portos Casela
Morto tinha lantejoulas coladas
no lugar da sobrancelha.

O Sítio Cercado, região Sul de Curitiba, vem se tornando campeão das estatísticas de criminalidade. Só no fim de semana foram três assassinatos. Por volta de 4h30 de sábado, Eder Fernandes Sieben foi morto a tiros na Rua Nicanor do Rosário, Jardim Pirineus. A tia da vítima explicou que existe uma acirrada briga entre gangues na região, e que na madrugada do crime, a "gangue do Bosque", do Xapinhal, rondava a vila em um Opala preto. Ela acredita que eles possam ter atentado contra a vida de seu sobrinho.

Poucos minutos após a morte de Eder, outro crime aconteceu no final da Travessa 10 da Rua Nova Esperança, Vila Joana. Um homem não identificado foi encontrado morto a tiros. Populares disseram que a vítima seria moradora no Bairro Novo. Roberto Viron, morador do beco, disse que ouviu cerca de oito tiros quase em frente a sua casa, por volta das 5h20. "Acordei com os disparos, mas só fiquei sabendo do morto de manhã, com a chegada da polícia", disse. O morador relatou ser comum a passagem de pessoas durante toda a madrugada pela travessa, por ser ponto freqüentado por traficantes e usuários de drogas. "Já mataram um rapaz aqui no ano passado", lembrou.

Para os investigadores Joacir e Castro, da Delegacia de Homicídios, pode haver uma ligação entre os dois crimes. "A proximidade de locais e os horários dos crimes podem direcionar a investigação", disse Joacir. O homem estava descalço, vestindo bermuda jeans e jaqueta preta e vermelha. Sua sobrancelha estava raspada e tinha algumas lantejoulas coladas.

Discute com mulher e leva chumbo

Um terceiro homicídio foi registrado no Sítio Cercado, às 3h30 de ontem, na Rua Izaac Ferreira da Cruz, na saída de uma pizzaria. O marceneiro Carlos Alberto Silva Sales, o "Tuta", 30 anos, foi morto com cerca de dez tiros na cabeça e nas costas.

De acordo com a mulher da vítima, eles haviam discutido naquela noite e então o marceneiro foi "esfriar a cabeça na pizzaria", onde costumava estar com os amigos. Ela soube que enquanto ele bebia, cinco rapazes que estavam no bar comunicaram ao proprietário do estabelecimento que "Tuta" havia lhes provocado uma vez e eles não queriam confusão, por isso se retirariam do local. Três homens foram embora e os outros dois ficaram esperando na porta. O comerciante foi conversar com seu cliente, contando a situação, e "Tuta" teria dito que não conhecia os homens, e que não sabia o porque da reação deles.

Quando resolveu ir embora, ele foi surpreendido pelos dois que ficaram aguardando do lado de fora. De acordo com testemunhas, a vítima foi atingida por dois tiros, e quando caiu no chão, ainda foi alvejado por mais sete disparos. Os atiradores, disseram testemunhas, teriam ido embora em um Pálio azul, que os aguardava próximo do estabelecimento. "Tuta" foi levado por clientes da pizzaria ao Pronto Socorro 24 horas do Sítio Cercado, onde chegou sem vida.