A denúncia de exploração sexual de menores em Campo Largo foi aceita, na tarde de ontem, pelo Tribunal de Justiça (TJ). O caso está sendo analisado pelo TJ devido a acusação de envolvimento de um magistrado nas supostas orgias que aconteciam em duas chácaras do município e que contavam com o envolvimento de adolescentes pobres. As meninas eram obrigadas a praticar sexo em público e a se submeter às fantasias dos organizadores das orgias em troca de um prato de comida. Além do magistrado, três vereadores da cidade e outras quatro pessoas também são acusados de participar das "festinhas".

O processo corre em segredo de Justiça e por isso os nomes dos envolvidos no caso não podem ser divulgados. As orgias em chácaras de Campo Largo envolvendo adolescentes ocorriam há pelo menos três anos, desde 2001, de acordo com denúncias de membros do Movimento Piedade Campo Largo, formado por representantes da comunidade campolarguense.